Irã mirará instalações nucleares israelenses se for atacado

O Irã revidará contra instalações israelenses de fabricação de armas e instalações nucleares se o Estado judeu atacar as usinas nucleares na República Islâmica, afirmou o ministro da Defesa, Ahmad Vahidi, segundo a agência semioficial Mehr nesta quarta-feira.

REUTERS

09 de dezembro de 2009 | 12h23

Israel se recusou a descartar uma ação militar caso a diplomacia falhe na solução de uma disputa internacional sobre o programa nuclear iraniano, que, o Ocidente suspeita, visa a fabricação de armas nucleares.

O Irã nega as acusações e já avisou outras vezes que retaliará se for atacado. O chefe da Guarda Revolucionária afirmou anteriormente este ano que os mísseis iranianos podem atingir instalações nucleares israelenses, alerta destacado por Vahidi.

"As Forças Armadas da República Islâmica do Irã estão preparadas", disse Vahidi a repórteres, durante visita à Síria, quando perguntado sobre qualquer possível ataque israelense nas instalações nucleares iranianas, segundo a agência Mehr.

Se atacado por Israel, a primeira resposta iraniana mirará vários locais de fabricação de armas, incluindo "armas sujas e outros centros nucleares não convencionais", disse Vahidi.

Acredita-se que Israel seja o único Estado do Oriente Médio com armas nucleares.

O Irã já afirmou que seus mísseis são capazes de atingir o Estado judeu. Analistas de defesa ocidentais questionam se o país pode mirar alvos com precisão.

Vahidi disse que as "ameaças recentes" de oficiais de Israel visavam em parte cobrir seus próprios problemas e ganhar aprovação para um aumento no orçamento militar, segundo o Mehr.

O Irã, quinto maior exportador mundial de petróleo, disse que seu projeto nuclear visa geração de eletricidade, e não bombas, mas não conseguiu convencer as potências ocidentais de sua natureza pacífica.

(Reportagem de Reza Derakhshi)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAISRAELATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.