Irã nega ligação com complô contra trem de passageiros no Canadá

O Irã negou na terça-feira envolvimento em um complô para sabotar um trem de passageiros no Canadá que a polícia diz ter recebido apoio de integrantes da Al Qaeda no Iran.

MARCUS GEORGE, Reuters

23 de abril de 2013 | 07h24

A polícia canadense disse não haver nenhuma indicação de que o plano de atentado tenha sido patrocinado pelo Estado iraniano, país com o qual o Canadá cortou relações diplomáticas no ano passado.

O Irã, no entanto, reagiu com irritação.

"Nenhum resquício de evidência em relação àqueles que foram presos e acusados ??foi fornecido", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast, segundo a agência de notícias Mehr.

Segundo ele, as informações de ligação com a Al Qaeda não são de forma alguma consistentes com a República Islâmica, e acrescentou que o Irã é contra "qualquer tipo de ação violenta que ponha em perigo vidas."

"Nos últimos anos, o governo radical do Canadá colocou em prática um projeto para perseguir o Irã e é claro que tem buscado essas ações hostis", acrescentou.

Em setembro do ano passado, o Canadá cortou relações diplomáticas com o Irã devido ao programa nuclear iraniano, a sua hostilidade em relação a Israel e por causa do que Ottawa classificou como apoio do Irã a grupos terroristas.

Autoridades norte-americanas disseram que o ataque teria como alvo uma linha de trem entre Nova York e Toronto.

Dois suspeitos foram presos. Chiheb Esseghaier, de 30 anos, de Montreal, e Raed Jaser, de 35 anos, de Toronto, foram acusados pela polícia canadense de ter ligação com facções extremistas da Al Qaeda com base no Irã.

Tudo o que sabemos sobre:
IRANEGAPARTICIPACAOCANADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.