Irã nega ter confiscado Nobel entregue a ativista Shirin Ebadi

O Irã rejeitou nesta sexta-feira um comunicado da Noruega acusando a República Islâmica de ter confiscado a medalha do prêmio Nobel da Paz entregue à ativista de direitos humanos Shirin Ebadi em 2003.

REUTERS

27 Novembro 2009 | 15h38

"Estamos surpresos por ver as autoridades norueguesas assumindo uma postura tendenciosa e com uma atitude precipitada, ignorando leis e normas que são respeitadas por todos", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Ramin Mehmanparast, em comentários publicados pela agência de notícias Mehr.

O Ministério das Relações Exteriores da Noruega disse na quinta-feira que a medalha de ouro e o diploma entregues a Ebadi foram retirados do banco junto com outros artigos pessoais.

Também informou que o marido de Ebadi foi preso em Teerã e gravemente espancado. O comunicado iraniano não se referiu a esta acusação.

Um conselho norueguês escolhe os ganhadores do Nobel da Paz, enquanto os premiados em outras categorias são escolhidos na Suécia.

A tensão aumentou no Irã depois de uma polêmica eleição presidencial em junho, que deu um novo mandato ao presidente Mahmoud Ahmadinejad, mas também motivou os maiores protestos contra o governo em 30 anos no país.

(Reportagem de Ramin Mostafavi)

Mais conteúdo sobre:
IRANOBELREJEITA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.