Irã nuclear não abriria corrida armamentista, diz relatório dos EUA

Argumento é que países como Arábia Saudita têm motivos para não irem atrás de bomba atômica

Reuters

20 de fevereiro de 2013 | 09h56

RIAD - Os temores de uma corrida armamentista no Oriente Médio caso o Irã alcance armas nucleares são exagerados, disse uma entidade norte-americana na terça-feira, argumentando que países como a Arábia Saudita têm muitos motivos para não irem atrás de uma bomba atômica.

Potências ocidentais suspeitam que o Irã esteja tentando desenvolver armas nucleares, embora Teerã insista no caráter civil do seu programa atômico.

A Arábia Saudita, rival regional do Irã e maior exportador mundial de petróleo, é vista por analistas como o país da região que teria mais chances de buscar uma arma nuclear caso o Irã a obtenha. Há também o temor de que Egito e Turquia se interessem por isso.

Acredita-se que Israel, maior inimigo do Irã no Oriente Médio, já possua o único arsenal atômico da região, embora o Estado nunca tenha confirmado ou desmentido isso.

Em dezembro de 2011, o príncipe Turki al Faisal, ex-chefe da inteligência saudita, disse que seu país poderia considerar a busca por armas nucleares se o Irã atingisse esse estágio. O reino sunita também já anunciou que pretende construir reatores capazes de gerar 17 gigawatts de energia atômica até 2032.

Mas o relatório do Centro para a Nova Segurança Americana (CNAS, na sigla em inglês) diz que, embora haja algum risco de que a Arábia Saudita busque uma bomba atômica, o mais provável seria que o reino recorresse à proteção do seu principal aliado, os EUA.

"O senso comum provavelmente está errado", disse o relatório. Mesmo que a Arábia Saudita deseje ter uma bomba atômica, "desincentivos significativos pesariam contra uma louca corrida de Riad" nesse sentido, acrescenta o texto.

O CNAS, criado em 2007 em Washington, é uma entidade apartidária voltada para políticas de segurança nos EUA. Entre os autores do relatório estão Colin Kahl, ex-subsecretário-assistente de Defesa para o Oriente Médio, e Melissa Dalton, especialista em assuntos externos da secretária.

Os custos e a dificuldade de iniciar um programa de armas nucleares ao arrepio do direito internacional e contrariando os desejos de Washington seriam um poderoso argumento contra a bomba atômica saudita. Alguns analistas especulam que, em vez de tentar desenvolver seu próprio arsenal atômico, a Arábia Saudita poderia comprar essas armas do aliado Paquistão.

Mas o relatório considera que isso também seria improvável. "Em vez disso, a Arábia Saudita provavelmente perseguiria uma versão mais agressiva da sua atual estratégia de resguardo para a defesa convencional e da (atividade) nuclear civil, ao mesmo tempo em que buscaria uma garantia externa de segurança nuclear."

O relatório diz ainda que o Egito não vê as ambições nucleares iranianas como uma ameaça existencial, e que a Turquia já tem uma dissuasão nuclear, na forma de garantias de segurança da Otan.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.