Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Irã participará de conferência sobre Afeganistão, diz Holanda

Chanceler holandês afirma que Teerã mandará delegação; convite para participação foi feito pelos EUA

Agências internacionais,

25 de março de 2009 | 14h54

Uma delegação do Irã participará da conferência internacional para o Afeganistão, que acontece em Haia no próximo dia 31, segundo afirmou o Ministro de Relações Exteriores da Holanda nesta quarta-feira, 25.

 

"O Irã deu sinais de que participará da conferência, ainda que não esteja claro quem participará e em que nível", afirmou o chanceler Maxime Verhagen aos jornalistas. A Holanda vai sediar a conferência, sob supervisão da ONU, proposta pela secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, durante viro pela Europa.

 

O convite para que o Irã integrasse o encontro foi visto como a primeira abertura pública ao Irã, país que foi descrito por Bush como parte do "eixo do mal", junto a Iraque e Coreia do Norte. Os EUA cortaram relações diplomáticas com o Irã após a crise dos reféns, entre 1979-81, quando um grupo de militantes iranianos manteve 52 diplomatas na embaixada americana por 444 dias. Obama diz que os EUA estão preparados para estender a mão ao Irã se o país "abrir o punho". O presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, disse que está aberto a conversações com Washington, mas exigiu uma mudança da política dos EUA para o Oriente Médio.

 

O Afeganistão e o Paquistão, onde o Taleban possui bases, participarão do encontro com os membros da Otan e os países que possuem tropas no conflito afegão. Hillary afirmou que propôs a participação de "países estratégicos regionais", como Rússia, Índia e Irã, além de "grandes contribuintes financeiros e grandes organizações internacionais.

 

A guerra no Afeganistão se deteriorou nos últimos dois anos, e extremistas islâmicos e do Taleban ganharam terreno enquanto o número de mortos da coalizão liderada pelos EUA no país também aumentou. Obama deve anunciar nos próximos dias a nova estratégia para o conflito.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.