Irã pede mudanças na estrutura da AIEA

Para país, estrutura atual favorece grandes potências; Irã quer maior presença de países em desenvolvimento

Efe,

30 Novembro 2009 | 08h20

O embaixador do Irã na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Ali Asghar Sultaniyeh, pediu mudanças no órgão, já que, em sua opinião, sua estrutura atual favorece as grandes potências.

 

Veja também:

link Irã diz que construirá dez novas plantas para enriquecer urânio

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Em declarações divulgadas pela imprensa local, Sultaniyeh pediu uma presença maior dos países em desenvolvimento para evitar o que qualificou como manipulações.

 

"A estrutura do Conselho de Governadores foi desenhada dessa maneira e permite que os Estados ocidentais monopolizem a maioria dos votos e isso permite manipulação das atividades da agência", disse o representante iraniano.

 

"A composição situa em um dos assentos permanentes cada um dos países mais desenvolvidos das diferentes regiões e, por isso, dez países conseguiram impedir qualquer taxa de câmbio", criticou.

 

Irã, junto a outras nações em vias de desenvolvimento, apoiou uma moção para que o Conselho de Governadores seja ampliado de 35 para 41 países, o que daria aos países do Oriente Médio um poder maior, acrescentou.

Mais conteúdo sobre:
Irã energia nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.