Irã planeja vazamento de petróleo para fechar Ormuz, diz revista

O chefe da Guarda Revolucionária do Irã criou um plano para causar um desastre ambiental no Estreito de Ormuz que bloquearia as exportações de petróleo pelo local, com o objetivo de forçar as potências ocidentais a removerem sanções econômicas impostas a Teerã, afirmou a revista semanal alemã Der Spiegel, sem citar fontes.

Reuters

15 de outubro de 2012 | 08h46

Não houve nenhuma confirmação independente da informação.

A revista relatou que o plano de Mohammad Ali Jafari previa que os iranianos iriam lançar um navio petroleiro contra rochas no estreito, a via marítima mais importante do mundo para transporte de petróleo.

"O objetivo é bloquear o transporte temporariamente por meio da contaminação, para "punir" Estados árabes adjacentes que são hostis ao Irã e para forçar o Ocidente a participar da limpeza em grande escala -- e possivelmente, deste modo, suspender as sanções contra Teerã", disse a Spiegel.

"A descontaminação só seria possível com ajuda técnica das autoridades iranianas e para isso o embargo teria de ser suspenso pelo menos temporariamente", afirmou.

"Empresas iranianas, algumas delas pertencentes a autoridades da Guarda Revolucionária, poderiam até lucrar com as operações de resgate."

A revista não forneceu fontes para a notícia, mas disse que serviços de inteligência do Ocidente estavam estudando o plano, que, segundo a Spiegel, agora precisaria apenas da aprovação do supremo líder do Irã, aiatolá Ali Khamenei, para ser colocado em prática.

A economia do Irã está afundando em consequência das sanções ocidentais voltadas a forçar o país a suspender seu programa nuclear e acabar com as preocupações do Ocidente de que estaria tentando desenvolver bombas atômicas, uma acusação que o Irã nega.

Cerca de 40 por cento do transporte mundial de exportações de petróleo saem do Golfo via Estreito de Ormuz.

(Reportagem de Gareth Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAPLANOESTREITOPETROLEO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.