Irã pode abandonar tratado de não-proliferação, diz deputado

ameaça vem a público um dia depois da AIEA aprovar uma resolução condenando programa nuclear

Associated Press,

28 Novembro 2009 | 12h03

O Parlamento do Irã pode votar a retirada do país do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares em resposta à sanção imposta pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na última sexta-feira.

 

Veja também:

linkIsenção do Brasil na censura ao Irã é coerente, diz historiador

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

De acordo com Mohammad Karamirad, um parlamentar da linha dura, o Parlamento considera também bloquear as inspeções da AIEA aos reatores de iranianos. Karamirad não fala pelo governo, mas suas declarações costumam ir na linha do que é defendido pelo regime.

 

A ameaça vem a público um dia depois da AIEA aprovar uma resolução exigindo que Teerã pare imediatamente de construir um reator na cidade sagrada de Qom e interrompa também o enriquecimento de urânio.

 

"O Parlamento, em sua primeira reação a esta resolução ilegal e politicamente motivada, pode considerar a retirada do tratado", ameaçou Karamirad.

 

O chefe da delegação iraniana na AIEA, Ali Asghar Soltanieh, por sua vez, disse que o país não vai cooperar além do previsto em suas obrigações legais e que Teerã não vai interromper o enriquecimento de urânio.

 

Em 2006, o Irã já havia ameaçado abandonar o tratado.

Mais conteúdo sobre:
Irã programa nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.