Irã prende assessores de Mousavi e Khatami, diz oposição

Conflitos entre policiais e manifestantes no domingo deixam ao menos oito mortos; protestos devem continuar

estadao.com.br,

28 de dezembro de 2009 | 08h45

A oposição iraniana acusou o governo de prender sete de seus ativistas nesta segunda-feira, 28, um dia após os confrontos que deixaram ao menos oito mortos. Entre os detidos estariam assessores do ex-presidente Mohammed Khatami e do líder da oposição, Mir Hossein Mousavi.

Segundo o site de parlamentares da oposição 'Parlemannews', os presos são o ex-ministro Morteza Haji e seu assessor Hassan Rasuli, ambos próximos a Khatami. Outros três conselheiros de Mousavi estariam detidos: Ali Reza Beheshti, Gorban Bezadian-Nejad e Mohammad Bagerian.

Mais cedo, a polícia usou bombas de gás lacrimejante para dispersar manifestantes que estavam reunidos em frente ao hospital no qual está o corpo do sobrinho de Mousavi, morto nos protestos de ontem.

 

O Conselho Supremo da Segurança Nacional disse que oito pessoas morreram em manifestações contra o governo ocorridas no domingo, durante a celebração xiita da Ashura. O Ministério da Saúde disse que mais de 60 pessoas ficaram feridas em Teerã.

Um site moderado disse na segunda-feira que o corpo do sobrinho de Mousavi sumiu do hospital. "Não podemos realizar o funeral até que o corpo do meu irmão seja encontrado", disse outro sobrinho do político reformista, segundo o site Parlemannews. Há previsão de confrontos durante o enterro do jovem.

Críticas

 

O clérigo opositor iraniano Mehdi Karroubi criticou hoje duramente o regime iraniano, ao qual acusou de assassinar várias pessoas durante a festa sagrada da Ashura, realizada no domingo em meio a enfrentamentos entre as forças de segurança e grupos de opositores, nos quais oito pessoas morreram.

 

Em comunicado divulgado pelo site reformista "Jahannews", o ex-candidato à Presidência perguntou "o que aconteceu com um sistema

religioso para matar pessoas durante o dia santo da Ashura".

 

"Atacaram com uma selvageria inexplicável as pessoas, as feriram, detiveram e inclusive mataram várias", afirmou Karroubi, um dos três

candidatos derrotados nas presidenciais de junho, origem da atual crise política e social no Irã, a pior nos 30 anos da Revolução Islâmica.

 

Repercussão

 

As potências ocidentais criticaram a repressão a manifestações oposicionistas no Irã. França, Alemanha e EUA condenaram a morte de oito pessoas no domingo e a prisão de aliados de líderes reformistas.

 

A França advertiu hoje ao Irã que agravar "a repressão não leva a lugar nenhum e pediu uma solução política baseada no diálogo e no respeito às principais democracias". Além disso, a chancelaria francesa voltou a condenar as "detenções arbitrárias e a violência cometida contra simples manifestantes.

 

A chanceler alemã, Angela Merkel, considerou inaceitável a repressão às manifestações no Irã. "Condeno a onda de violência no Irã e a repressão inaceitável, que custou a vida de várias pessoas", disse Merkel em comunicado. Os Estados Unidos condenaram a "repressão injusta" aos civis e expressaram apoio aos manifestantes.

Com informações da Associated Press, da Efe  e da Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
IrãMousaviAhmadinejadKhatami

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.