Irã proíbe jeans apertado e tatuagem em algumas universidades

O Irã colocou em vigor regras mais rígidas para vestimentas em algumas universidades, o que inclui a proibição de alunas com unhas compridas, roupas brilhantes e tatuagens, disse uma agência de notícias na segunda-feira.

REUTERS

10 de janeiro de 2011 | 18h40

A agência semioficial Fars publicou uma lista de universidades iranianas que terão de adotar as novas regras, mas não explicou os critérios para essa seleção.

A Fars disse que as alunas ficarão proibidas de "usar bonés ou chapéus sem lenços, jeans justos e curtos e 'piercing' corporal", o que exclui brincos.

Além disso, também foram proibidos casacos justos, tatuagens, unhas compridas, joias incrustadas nos dentes e roupas brilhantes.

O Irã tem feito uma campanha contra as influências culturais ocidentais. Pela lei islâmica adotada após a revolução de 1979, as mulheres precisam cobrir os cabelos em público, além de usar trajes longos e largos.

Mas as jovens, especialmente em áreas urbanas mais ricas, costumam desafiar as limitações, usando roupas justas e lenços de cabeça coloridos, que mal cobrem os cabelos.

O novo código de conduta também proíbe alunos homens de tingirem o cabelo, apararem as sobrancelhas, vestirem roupas justas e usarem joias ou camisas com "mangas muito curtas", segundo a Fars.

(Por Ramin Mostafavi)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAJEANSTATUAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.