Irã promete vingar-se de Israel por assassinato de professor

Autoridades iranianas responsabilizam Israel e Estados Unidos pela morte do especialista em física nuclear

Agência Estado,

18 de janeiro de 2010 | 14h56

O ministro do Interior do Irã, Mostafa Mohammad Najjar, prometeu nesta segunda-feira, 18, se vingar de Israel, por causa do assassinato na semana passada de um professor de Física nuclear, em um misterioso atentado com uma bomba. Autoridades iranianas culparam um grupo de oposição exilado pelo crime, acusando Israel e os Estados Unidos de envolvimento.

 

Veja também:

linkSeis nações se encontram para discutir sanções ao Irã 

 

O governo israelense não comentou as acusações. Najjar prometeu nesta segunda-feira vingança contra os "sionistas", sem dar detalhes. O professor Masoud Ali

 

VEJA TAMBÉM:
Especial: O programa nuclear do Irã
Cronologia: O histórico de tensões e conflitos do país

Mohammadi, da Universidade de Teerã, morreu quando uma bomba explodiu perto de sua casa, no dia 12. Não está claro a razão de o professor de 50 anos ter sido atacado. Mohammadi não tinha uma voz política importante, não havia publicado trabalhos de relevância militar nem tinha vínculos declarados com o programa nuclear iraniano. O pesquisador havia assinado um manifesto de apoio ao candidato oposicionista nas eleições presidenciais iranianas do ano passado.

 

Teerã diverge da comunidade internacional sobre seu programa nuclear. O governo iraniano afirma ter apenas fins pacíficos, mas países como EUA e Israel garantem que há também um programa secreto para a produção de armas nucleares. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IraIsraelmorteprofessornuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.