Irã quer mais negociações antes de dar resposta definitiva

República Islâmica só apresentou sua 'visão positiva' sobre proposta da AIEA e pede mais debates

estadao.com.br,

30 de outubro de 2009 | 14h57

O governo do Irã quer negociar mais em torno do "projeto de acordo" da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) sobre a entrega de combustível nuclear para um reator nuclear de Teerã antes de dar sua resposta definitiva, indicou nesta sexta-feira, 30, a agência oficial iraniana Irna, de acordo com a AFP.

 

Veja também:

linkIrã rejeitou acordo nuclear da ONU, diz NYT

linkEspecialista diz que país tenta ''adoçar'' o acordo 

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

A AIEA informou na quinta-feira, 29, que havia recebido uma "primeira resposta" do Irã sobre a proposta. A Irna informou que a mensagem de Teerã à agência da ONU "não é uma resposta ao projeto de acordo" e acrescentou que o Irã só divulgará sua decisão após mais negociações.

 

"A República Islâmica só anunciou sua visão positiva da negociação e disse que está pronta para manter negociações baseadas em considerações técnicas e econômicas, sobre como abastecer o reator de Teerã", informou a agência iraniana citando uma fonte anônima.

 

A proposta prevê que Teerã envie até o fim do ano aproximadamente 75% de seu urânio de baixo enriquecimento (1.200 quilos) para ser processado na Rússia. Moscou enviaria o material enriquecido a 20% para a França que, depois de transformá-lo em combustível nuclear, o embarcaria de volta para o Irã em condições de uso apenas para fins pacíficos. Com isso, as potências ocidentais esperam evitar quer o Irã alcance capacidade para produzir uma arma nuclear.

 

A imprensa estatal iraniana disse que Teerã só enviará seu urânio para ser processado no exterior de forma escalonada - e ao mesmo tempo em que o Ocidente abastecer o regime com combustível para seus reatores. Isso permitiria que o Irã mantivesse seu estoque de material nuclear sempre alto, mesmo enquanto cumprisse a exigência da proposta de Viena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.