Irã quer pactos de segurança e economia com países do Golfo

Ahmadinejad propõe a criação de uma aliança na região; reunião deve debater conflito palestino e do Líbano

Efe, REUTERS

03 de dezembro de 2007 | 10h22

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou nesta segunda-feira, 3, durante uma reunião de chefes de Estado de países do golfo Pérsico, que Teerã gostaria de criar um bloco de cooperação econômica e um pacto de segurança conjunto com os vizinhos exportadores de petróleo.   O plano, visto como uma proposta de aliança completa entre o Irã e o Conselho, inclui a anulação dos vistos, o estabelecimento de um "corredor no Golfo para a exportação da energia" através de investimentos conjuntos e a criação de uma zona de livre-comércio, entre outros pontos. Ahmadinejad deu as declarações em um encontro do Conselho de Cooperação do Golfo. Com as tensões envolvendo o programa nuclear iraniano altas, Ahmadinejad foi convidado a participar da reunião deste ano.   Os chefes de Estado do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) inauguraram nesta segunda em Doha, capital do Catar, a 23ª cúpula desta organização regional, com a participação como "convidado" do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.   Além de abordar a segurança do Golfo Pérsico e o programa nuclear iraniano, os dirigentes do CCG - Arábia Saudita, Kuwait, Barein, Catar, Omã e Emirados Árabes Unidos - tratarão durante dois dias questões de cooperação econômica, incluindo a criação de um mercado comum e a unidade monetária.   Outros assuntos são o atual estado das negociações árabe-israelenses após a conferência de paz para o Oriente Médio realizada na semana passada em Annapolis (EUA) e as crises no Iraque, no Líbano e nos territórios palestinos.   Não se descarta que o presidente iraniano, que participa pela primeira vez de uma reunião multilateral árabe, discuta com seus colegas do CCG sobre a proposta feita ao Irã para a criação de um consórcio para o enriquecimento de urânio em um outro país.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAPACTOECONOMICOGOLFO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.