Irã realiza reunião com aliados para discutir crise da Síria

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Ali Akbar Salehi, pediu nesta quinta-feira conversações "sérias e inclusivas" entre o governo da Síria e grupos de oposição, abrindo uma reunião de nações aliadas convocada pelo Irã, que tenta exercer sua influência sobre o conflito.

MARCUS GEORGE, Reuters

09 de agosto de 2012 | 15h21

Mais de 25 nações estavam presentes na conferência, mas significativamente nenhuma deles apoia a oposição síria ou pediu que o presidente Bashar al-Assad deixe o poder.

A televisão estatal transmitiu a declaração de abertura da reunião, em que Salehi disse que estavam presentes delegações da Rússia, China, Iraque, Paquistão, Jordânia, Índia, entre outros.

"A República Islâmica do Irã acredita firmemente que a crise síria só pode ser resolvida por meio de negociações sérias e inclusivas entre o governo e grupos de oposição que possuem apoio popular na Síria", afirmou Salehi no início da conferência em Teerã para discutir a agitação.

No discurso transmitido ao vivo na televisão iraniana, Salehi disse que o Irã "rejeita qualquer intervenção estrangeira e militar na Síria e apoia os esforços da ONU para resolver a crise".

O governo sírio afirmou que está pronto para o diálogo, mas a oposição argumenta que Assad deve deixar o cargo como condição para qualquer negociação. As hostilidades contínuas em Aleppo, onde o Exército sírio está bombardeando rebeldes, torna improvável que haja negociações no futuro próximo.

Também presente na reunião estava a coordenadora residente das Nações Unidas para Teerã, Consuelo Vidal-Bruce, que leu uma declaração do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

"Tanto o governo quanto a oposição continuam a depender de armas", afirmou a declaração traduzida, e essas ações terão "consequências trágicas para o povo sírio".

Em um artigo de opinião publicado pelo Washington Post na quarta-feira, Salehi advertiu que haveria consequências catastróficas se Assad saísse do poder.

"A sociedade síria é um belo mosaico de etnias, religiões e culturas, e ficará em pedaços se o presidente Bashar al-Assad cair abruptamente", afirmou.

Enquanto Salehi disse que o Irã buscava uma solução que fosse do "interesse de todos", os diplomatas ocidentais rejeitaram a conferência como uma tentativa de desviar a atenção dos acontecimentos sangrentos em terra e preservar o regime de Assad.

"O apoio da República Islâmica ao regime de Assad é dificilmente compatível com uma genuína tentativa de conciliação entre as partes", disse um diplomata ocidental em Teerã.

Tudo o que sabemos sobre:
IRASIRIAREUNIAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.