Irã recebe apoio de não-alinhados para seu programa nuclear

País enviou carta assinada por mais de cem países à AEIA para proibir ataques israelenses a suas instalações

Agência Estado e Associated Press,

26 de agosto de 2009 | 12h42

O governo do Irã enviou nesta quarta-feira, 25, uma carta assinada por mais de cem países não-alinhados para proibir possíveis ataques militares israelenses a suas instalações nucleares para a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) das Nações Unidas. Segundo as autoridades iranianas, o Movimento dos Países Não-Alinhados, com 118 integrantes, apoiou o documento.

 

Veja também:

linkIrã não amplia programa nuclear desde maio, diz AEIA

linkIrã amplia acesso a instalações nucleares, dizem fontes da AIEA

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

O governo iraniano planeja enviar uma resolução sobre o tema à AIEA no mês que vem. Enquanto o Irã aponta que o texto será genérico, a medida é claramente dirigida contra Israel e, em certa medida, contra os EUA. Os dois países não descartam

atacar o Irã como último recurso, caso a comunidade internacional não consiga impedir o país de congelar suas atividades nucleares.

 

O Irã já desafiou três rodadas de sanções do Conselho de Segurança da ONU, que pressiona pelo fim do processamento de urânio. Teerã insiste que seu programa de enriquecimento de urânio tem apenas a função de produzir combustível, não armas

Nucleares.

 

A conferência geral da AIEA ocorre em 14 de setembro. Acredita-se que Israel possua armas nucleares, mas o país recusa-se a confirmar ou negar isso. Neste ano, seus rivais devem novamente pressionar para a abertura das instalações israelenses para os monitores da AIEA.

 

Ameaça

 

Já o presidente da França, Nicolas Sarkozy, ameaçou Teerã com sanções "severas", caso o país continue com seu programa nuclear. Sarkozy também criticou a repressão aos protestos pós-eleição presidencial no país.

 

"Esses são os mesmos líderes, no Irã, que dizem que o programa nuclear é pacífico e as eleições foram honestas. Francamente, quem acredita neles?", questionou Sarkozy.

 

As eleições presidenciais iranianas de 12 de junho geraram uma série de acusações de fraude. Além disso, houve críticas internacionais à dura repressão aos protestos de dissidentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.