Irã reconsidera relações com França, Alemanha e Reino Unido

Chancelaria diz que responderá à interferência de outros países no pleito iraniano com as medidas adequadas

Efe,

22 de junho de 2009 | 07h42

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, Hassan Qashqavi, voltou a criticar nesta segunda-feira, 22, com dureza alguns países europeus e anunciou que a Comissão de Segurança do Parlamento "está reconsiderando" as relações com a França, Alemanha e Reino Unido. "O regime iraniano responderá com as medidas e no momento adequado à interferência de outros países nos assuntos internos do país", advertiu o porta-voz em sua entrevista coletiva semanal.

 

Veja também:

linkConselho dos Guardiões reconhece irregularidades em eleições

linkPolícia iraniana diz que 457 pessoas foram presas no sábado

mais imagens Fotos: Protestos contra eleição iraniana pelo mundo

som Podcast: Enviado do "Estado" no Irã comenta dificuldades da imprensa

lista Veja como acompanhar a crise política iraniana na web

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: Conflito eleitoral divide o Irã

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

lista Tudo o que foi publicado sobre a crise eleitoral no Irã

 

"Atualmente, a Comissão de Segurança do Parlamento e o Ministério de Relações Exteriores examinam, em reunião extraordinária, as diferentes dimensões da intervenção estrangeira antes, durante e depois do pleito", ressaltou. "Em particular, se estuda a revisão das relações com alguns países ocidentais como França, Reino Unido e Alemanha por sua ingerência nos assuntos internos do Irã", acrescentou Qashqavi.

 

O porta-voz personalizou seu ataque na França, país ao qual acusou de adotar uma postura irresponsável. "A França inclusive pediu que as eleições fossem repetidas. Que direito tem para fazer essas irresponsáveis e inapropriadas declarações?", questionou.

 

Qashqavi criticou que se considere o candidato reformista Mir Hussein Mousavi "líder da oposição", quando na sua opinião existe uma unidade no seio do país. "Com o objetivo de demonstrar que existem dissensões internas, os poderes ocidentais interferiram no processo eleitoral magnificando os protestos contra os resultados no Irã", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãeleiçõesMousaviAhmadinejad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.