Irã recua em número de centrífugas nucleares em atividade

Vice-ministro afirma que país possui 4 mil, menos do que as 5 mil apresentadas pelo presidente Ahmadinejad

Reuters e Efe,

29 de agosto de 2008 | 07h19

O Irã tem 4 mil centrífugas nucleares funcionando, disse uma autoridade em comentários publicados nesta sexta-feira, 29. O número está em linha com o verificado pelo órgão nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU), mas é menor que o citado pelo presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.  O Irã afirma estar instalando centrífugas para enriquecer urânio para que tenha combustível para suas usinas de energia nuclear. Mas o Ocidente acusa Teerã de buscar tecnologia para enriquecer urânio num grau mais elevado e usá-lo em ogivas nucleares. Ahmadinejad disse no mês passado que o Irã tem mais de 5 mil centrífugas funcionando, mas a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que checa regularmente as instalações nucleares iranianas, afirmou mais tarde que, aparentemente, Ahmadinejad superestimou esse número em mil centrífugas.  "Há atualmente perto de 4 mil centrífugas em atividade na unidade de enriquecimento de urânio de Natanz... Outras 3 mil centrífugas estão sendo instaladas", disse o vice-ministro das Relações Exteriores do Irã Alireza Sheikh Attar à televisão estatal, segundo informações da agência de notícias estatal IRNA. Potências mundiais ofereceram ao Irã um pacote de incentivos nas áreas comercial e nuclear, entre outras, para que o país suspenda suas atividades atômicas, mas Teerã já disse diversas vezes que não fará isso.  A usina de Natanz é um dos principais centros nucleares no Irã, e os países ocidentais suspeitam de que poderia ser utilizada para a produção de armamento atômico. Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais pressionam pela imposição de um novo conjunto de sanções ao Irã. Seria o terceiro pacote deste tipo contra a República Islâmica desde 2006.  Para Atar, as sanções adotadas pelo Conselho de Segurança contra seu país são "inúteis e ineficazes, e se as potências acreditassem que estas funcionam, as teriam intensificado".

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.