Irã rejeita acordo para processar urânio no exterior

Presidente da Comissão de Segurança Nacional afirma que tal possibilidade já está 'descartada'

Efe,

07 Novembro 2009 | 08h27

O Irã não cederá seu urânio para que seja processado no exterior como propuseram Estados Unidos, França e Rússia, afirmou neste sábado, 7, o presidente da Comissão de Segurança Nacional e Assuntos Exteriores do Parlamento iraniano, Alaedin Boroujerdi.

 

Veja também:

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Em declarações à agência de notícias local Isna, o responsável iraniano ressaltou que "não está previsto enviar nenhuma quantidade da 1,2 tonelada de urânio iraniano à qualquer lugar. Já foi descartado".

 

"O representante do Irã perante a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Ali Asghar Sultaniye, negocia para buscar soluções. Nossos especialistas estão olhando como obter o combustível e regular o problema", afirmou.

 

Boroujerdi também rejeitou as pressões da comunidade internacional e ressaltou que "os estrangeiros não podem estabelecer prazos. Nós não somos obrigados a fazer o que nos dizem".

 

No dia 21 de outubro representantes dos Estados Unidos, França e Rússia propuseram a seus colegas iranianos um acordo para enviar ao exterior o urânio que o Irã armazena a 3,5% e recuperá-lo depois enriquecido a 20%, nas condições em que o necessita para alimentar seu reator civil.

 

Esta semana o Governo iraniano tinha indicado que desejava a formação de um comitê de especialistas e uma nova rodada de diálogo para "esclarecer algumas dúvidas técnicas e econômicas" do acordo antes de dar uma resposta definitiva.

 

Mas a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, advertiu na quinta-feira que a proposta estava fechada e que não se admitiriam mudanças, além de instar ao Irã não dilatar mais o processo e dar uma resposta definitiva.

 

Grande parte da comunidade internacional, com os Estados Unidos e Israel à cabeça, acusam ao Irã de ocultar, sob seu programa civil, outro de natureza clandestina e aplicação militar cujo objetivo seria adquirir armas atômicas.

 

O acordo sobre o enriquecimento no exterior buscava garantir que o regime dos aiatolás não desviasse seu urânio a um programa não pacífico.

Mais conteúdo sobre:
Irâ urânio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.