Irã rejeita cooperação com AIEA e deve construir novas usinas nucleares

Lei proíbe acordos fora do Tratado de Não Proliferação e mantém enriquecimento de urânio a 20%

estadão.com.br

16 de agosto de 2010 | 10h56

TEERÃ - O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ordenou nesta segunda-feira, 16, a aplicação da lei aprovada no Parlamento que proíbe o governo de fazer colaborações além do marco do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP)  com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). A legilslação prevê a continuação do enriquecimento de urânio ao nível de 20%.  Mais cedo, o governo anunciou que iria ampliar a construção de usinas nucleares no país.

 

Veja também:

linkIrã planeja construir mais usinas

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

Segundo a agência pública iraniana de notícias Irna, esta lei obriga a rejeição de qualquer colaboração com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que esteja fora do escopo do TNP.

 

A lei, aprovada recentemente pelo Parlamento iraniano, também obriga o governo a manter as atividades de enriquecimento de urânio a 20% "para produzir combustível nuclear para o reator científico de Teerã".

 

Além disso, o artigo 4 dessa lei pede ao governo represálias contra qualquer país que inspecione os navios iranianos em cumprimento das novas sanções internacionais contra o Irã.

 

Também nesta segunda-feira, o chefe da Organização Iraniana de Energia Atômica (OIEA), Ali Akbar Salehi, anunciou que o país estabeleceu mais dez locais para construir novas usinas de enriquecimento de urânio e que o próximo complexo deve começar a ser erguido em março de 2011.

 

Entenda o impasse

 

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas. Teerã nega tais alegações.

 

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirrou no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

 

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio, mas o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

Com Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.