Irã rejeita enviar condenada à morte para asilo no Brasil

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse que Sakineh Mohammadi Ashtiani, a mulher condenada à morte por apedrejamento pelo crime de adultério, não será enviada ao Brasil, apesar da oferta de asilo feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

ROBIN POMEROY, REUTERS

17 de agosto de 2010 | 09h18

A sentença imposta a Sakineh causou comoção internacional e se tornou um surpreendente tema de discussão na atual campanha eleitoral brasileira.

Lula, que tem relações amistosas com Ahmadinejad, ofereceu asilo a Sakineh neste mês. A proposta já havia sido anteriormente rejeitada por um porta-voz da chancelaria iraniana, segundo a qual o presidente brasileiro "não havia recebido suficiente informação" sobre o caso.

Em entrevista à Press TV, canal estatal iraniano em língua inglesa, Ahmadinejad disse: "Acho que não há necessidade de criar problemas para o presidente Lula e levá-la ao Brasil."

"Estamos interessados em exportar nossa tecnologia para o Brasil, em vez de (exportar) uma questão dessas", acrescentou ele na entrevista, transmitida na segunda-feira à noite. Ahmadinejad falou em farsi e sua voz foi coberta pela tradução para o inglês.

"Há um juiz, afinal de contas, e os juízes são independentes. Mas conversei com o chefe do Judiciário, e o Judiciário não concorda com isso (o asilo da ré)."

Pela lei islâmica vigente no Irã, os crimes de homicídio, adultério, estupro, assalto, apostasia e narcotráfico estão sujeitos à pena de morte.

Em entrevista coletiva, Ramin Mehmanparast, porta-voz da chancelaria, disse que o Ocidente criou todo o furor em torno de Sakineh para prejudicar o Irã.

"Isso é mais um complô a fim de criar problemas nas estreitíssimas relações (do Irã) com Brasil e Turquia", afirmou.

Em maio, Brasil e Turquia convenceram o Irã a aceitar um acordo de intercâmbio de material nuclear, na esperança de que isso afastasse as preocupações ocidentais de que o país estaria tentando desenvolver armas nucleares -- o que o Irã nega. O acordo acabou não sendo levado adiante porque logo em seguida a ONU anunciou um novo pacote de sanções ao Irã.

Sakineh foi condenada em 2006 a 99 chibatadas por ter uma "relação ilícita" com dois homens, segundo a entidade Anistia Internacional. Posteriormente, foi condenada à morte por apedrejamento, acusada de "adultério enquanto estava casada", o que a Anistia diz que ela nega. Depois, surgiu também uma acusação de envolvimento no homicídio do seu marido.

A sentença por apedrejamento foi suspensa, à espera de uma revisão judicial do caso, mas ainda poderá ser aplicada.

Na semana passada, uma mulher identificada como Sakineh deu uma entrevista à TV iraniana, falando de sua relação com um homem que matou seu marido.

A Anistia Internacional diz que o Irã é o segundo país do mundo que mais recorre à pena de morte, atrás apenas da China. Em 2008, a República Islâmica realizou pelo menos 346 execuções.

Tudo o que sabemos sobre:
IRABRASILASILOAPEDREJAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.