Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Irã rejeitou acordo nuclear da ONU, diz NYT

Segundo oficiais europeus e dos EUA, Teerã recusa enviar 75% de seu urânio para enriquecimento no exterior

estadao.com.br,

30 de outubro de 2009 | 09h36

O Irã afirmou aos negociadores da Agência Nuclear da ONU que não aceitariam o plano proposto pelo Ocidente que prevê o enriquecimento de urânio no exterior, segundo afirma o jornal americano The New York Times, citando diplomatas na Europa e oficiais americanos que tomaram conhecimento da resposta entregue pelo país na quinta-feira.

 

Veja também:

Especialista diz que país tenta ''adoçar'' o acordo 

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Publicamente, nem o Irã ou a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) revelaram detalhes das mudanças exigidas pelo regime. No mesmo dia, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse estar "pronto para cooperar com o Ocidente".

 

Porém, oficiais americanos e europeus disseram que os iranianos recusaram a proposta central do esboço alcançado pelos negociadores em 21 de outubro, durante uma reunião em Viena. A proposta prevê que Teerã envie até o fim do ano aproximadamente 75% de seu urânio de baixo enriquecimento (1.200 quilos) para ser processado na Rússia. Moscou enviaria o material enriquecido a 20% para a França que, depois de transformá-lo em combustível nuclear, o embarcaria de volta para o Irã em condições de uso apenas para fins pacíficos. Com isso, as potências ocidentais esperam evitar quer o Irã alcance capacidade para produzir uma arma nuclear.

 

A imprensa estatal iraniana disse que Teerã só enviará seu urânio para ser processado no exterior de forma escalonada - e ao mesmo tempo em que o Ocidente abastecer o regime com combustível para seus reatores. Isso permitiria que o Irã mantivesse seu estoque de material nuclear sempre alto, mesmo enquanto cumprisse a exigência da proposta de Viena.

 

Um alto oficial europeu afirmou que a resposta iraniana é "basicamente uma recusa", aponta o jornal. Segundo ele, Teerã quer manter urânio no país enquanto recebe combustível para seu reator. "A questão-chave é que o Irã não concorda em exportar seu urânio", "isso não é um detalhe menor", afirmou. Funcionários americanos não sabem dizer se a declaração iraniana enviada para a AIEA é sua posição final ou se o regime pretende renegociar a proposta.

 

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, sinalizou nesta sexta-feira que os norte-americanos irão permitir que as conversas com o Irã sobre seu programa nuclear se esgotem antes de avaliar novas sanções contra Teerã. Perguntada durante entrevista na CNN se era hora de parar de conversar com Teerã e agir em relação às sanções, Hillary disse: "Estamos trabalhando com a AIEA, com a França, Rússia... que estão unidos e mostrando determinação em responder à réplica iraniana e procurando esclarecimentos. Assim, deixarei esse processo se esgotar". Ela não disse sob quais condições os Estados Unidos avaliarão novas sanções ao Irã.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.