Irã retira veto a 280 candidaturas para eleição parlamentar

Entre os beneficiados pela medida está o neto do aiatolá Khomeini, fundador da República Islâmica do Irã

Agência Estado e Associated Press,

13 de fevereiro de 2008 | 13h14

O Conselho dos Guardiães do Irã reverteu nesta quarta-feira, 13, o veto à candidatura de 280 políticos que pretendiam concorrer nas eleições parlamentares de 14 de março, informou um porta-voz do órgão de supervisão constitucional da república islâmica. A revisão dos vetos ocorre em meio a crescentes críticas tanto de reformistas quanto de conservadores de que o elevado número de candidatos considerados inelegíveis acarreta o risco de baixo comparecimento dos eleitores, afetando a legitimidade do pleito. A retirada do veto beneficiou alguns candidatos reformistas menos conhecidos. Ainda assim, a participação de reformistas pró-democracia mais destacados continua vetada. Entre as candidaturas beneficiadas está a de Ali Eshragi, neto do aiatolá Ruhollah Khomeini, fundador da República Islâmica do Irã. Eshragi, cuja fisionomia lembra a do avô, estava entre centenas de candidatos excluídos por não serem considerados "leais o bastante" aos princípios da revolução islâmica de Khomeini, realizada em 1979. De acordo com a imprensa iraniana, também foram autorizados a concorrer Morteza Haji, um ex-ministro reformista da Educação, e Abdollah Nasseri, porta-voz de um grupo que reúne partidos políticos de orientação reformista.  Em janeiro, o Ministério de Interior, dirigido por conservadores próximos do presidente Mahmoud Ahmadinejad, desqualificou mais de 2 mil candidatos, reformistas em sua maioria. Dos 7.200 candidatos registrados inicialmente, agora cerca de 5.300 continuam na disputa, informou o ministério.  Abbas Ali Kadkhodaei, o porta-voz do Conselho dos Guardiães, não explicou o motivo da reinstauração de 280 candidaturas, mas comentou que outros vetos deverão ser revistos antes do anúncio da lista definitiva de candidatos, previsto para 5 de março.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.