Irã revela novo plano nuclear com 6 mil centrífugas

O Irã iniciou a instalação de 6 milcentrífugas avançadas em sua unidade de enriquecimento deurânio, informou o presidente Mahmoud Ahmadinejad naterça-feira, ampliando o projeto nuclear que países do Ocidentetemem ter por objetivo a construção de bombas. Diplomatas em Viena disseram à Reuters na semana passadaque Teerã estava instalando centrífugas avançadas deenriquecimento em sua instalação de Natanz, acelerando ostrabalhos que podem levar o país a fabricar bombas atômicas nofuturo. O Irã, quarto maior exportador mundial de petróleo, afirmaquerer a tecnologia nuclear apenas para a produção de energia. "O presidente Ahmadinejad anunciou o início da instalaçãode 6 mil novas centrífugas em Natanz", informaram a televisão ea rádio estatal do país. "Hoje o processo de instalação de 6 mil centrífugasavançadas começou...darei mais detalhes sobre elas esta noite",disse Ahmadinejad em Natanz, região central do Irã, de acordocom a agência estudantil Isna. O presidente iraniano disse que seu programa nuclear testouna terça-feira uma máquina nova, com maior capacidade. Porém,ele não especificou que máquina era. "Hoje, uma máquina nova foi testada...e a capacidade dessasnovas máquinas...é cinco vezes maior do que as máquinasatuais", disse ele em Teerã, em um evento que comemorava o diaNacional da Tecnologia Nuclear no Irã. A secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice,disse que os estímulos oferecidos ao Irã em 2006, incluindo umacooperação nuclear civil, foram "muito generosos". "O Irã enfrenta um contínuo isolamento em relação àcomunidade internacional porque não aceita uma oferta razoávelda comunidade internacional", disse ela a repórteres. Mas Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores daRússia, país que está construindo a primeira usina nucleariraniana, disse à rádio Ekho Moskvy que "novas propostaspositivas" devem ser feitas ao Irã, sem dar mais detalhes. Desde 2006, o Conselho de Segurança da Organização dasNações Unidas impôs três rodadas de sanções contra o Irã,devido à recusa do país de suspender o enriquecimento deurânio. O porta-voz do governo de Israel, Mark Regev, reagindo aopronunciamento de Ahmadinejad, exigiu que a comunidadeinternacional impeça o "agressivo" trabalho atômico de Teerã. O Irã afirma que as sanções, que têm como alvo os setoresnuclear, militar e financeiro com outros países, não tiveramimpacto no Estado islâmico. O urânio enriquecido pode ser utilizado como combustívelpara usinas nucleares ou, se refinado mais, como materialexplosivo para armas. (Reportagem adicional de Zahra Hosseinian)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.