Irã se abre à AIEA esperando evitar novas sanções

O Irã espera que sua disposição em darmais acesso a inspetores nucleares da ONU ajude a evitar novassanções internacionais, disse na terça-feira o subsecretário doConselho Nacional Supremo de Segurança Nacional, AbdolrezaRahmani-Fazli. É a primeira vez que o Irã condiciona explicitamente aspromessas de maior abertura à perspectiva de evitar as sanções.Uma equipe de inspetores chegou na segunda-feira ao Irã paradiscutir a cooperação nuclear do país. O Irã já foi alvo de dois pacotes de sanções da ONU por suarecusa em suspender o enriquecimento de urânio, um processo quepode gerar combustível para energia nuclear civil ou parabombas, como suspeitam países ocidentais. Teerã garante queseus objetivos são pacíficos. "Naturalmente, esperamos que em troca da vasta cooperaçãodo Irã com a agência algumas ações adequadas sejam tomadas afim de criar uma confiança mútua", disse Rahmani-Fazli àagência oficial de notícias do país, a Irna. "Essas ações podem incluir a prevenção de outra resolução[de sanções da ONU]", acrescentou. Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que oIrã continua longe de cumprir as condições para evitar novassanções, a começar pela completa suspensão das atividadesnucleares, tal qual exigiram várias resoluções do Conselho deSegurança da ONU. "Até que eles tenham cumprido tudo o que lhes foisolicitado pela lei internacional, é bastante difícil ver comovão conseguir qualquer crédito parcial por fazer gestos nadireção da cooperação", disse o porta-voz Tom Casey. "Esses gestos, tais quais os entendo, certamente nãoresultaram em dar à AIEA (Agência Internacional de EnergiaAtômica) ou a quem for qualquer tipo de clareza sobre essasquestões que estão pendentes", afirmou. "Pretendemos buscar uma resolução adicional do Conselho deSegurança, exceto se houver qualquer disposição em suspender[as atividades de enriquecimento] e avançar com as condiçõesque lhes foram impostas." As resoluções da ONU também exigem que o Irã coopereplenamente com as investigações da AIEA sobre o caráter do seuprograma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.