Irã se diz disposto a enriquecer seu urânio fora do país

Decisão comunicada pelo presidente é uma grande mudança na posição de Teerã sobre seu programa nuclear

Associated Press,

02 de fevereiro de 2010 | 19h06

O Irã se declarou nesta terça-feira, 02, pronto a mandar seu urânio para ser enriquecido fora do país, como foi solicitado pela ONU. A decisão foi comunicada pelo presidente Mahmoud Ahmadinejad em uma entrevista na televisão estatal iraniana.

 

Veja também:

especialEspecial: o programa nuclear do Irã

linkCronologia: o histórico de tensões e conflitos no país

 

De acordo com Ahmadinejad, o Irã "não terá problemas" em mandar ao Ocidente seu urânio não enriquecido e recebê-lo meses depois, enriquecido em 20%. A decisão é uma grande mudança na posição do Irã sobre seu programa nuclear.

 

"Se nós o autorizamos a levar (o urânio), não há problema. Nós assinamos um contrato para dar urânio pouco enriquecido a 3,5% e o recebemos enriquecido a 20% depois de quatro ou cinco meses", sugeriu o presidente.

 

Este tempo, contudo, é bem menor que o um ano pedido pelas potências ocidentais para transformar o urânio pouco enriquecido em combustível para o reator de Teerã, prazo que especialistas confirmam ser necessário para o enriquecimento.

 

Ahmadinejad, contudo, não deu indicações sobre a quantidade de urânio que seria enviada nesta troca, principal ponto de discussão com as grandes potências.

 

 Por meses, oficiais iranianos usaram a mídia para criticar o plano da ONU para o país e oferecer alternativas para uma de suas condições principais - transportar o urânio para fora do país, para ser enriquecido.

 

O Ocidente suspeita que o programa nuclear iraniano almeja produzir armas nucleares, o que o Irã nega, afirmando que seu programa tem apenas o fim pacífico de produir energia.

 

O Irã rechaçou em novembro uma proposição do grupo dos Seis (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) sobre o envio de 70% seu urânio pouco enriquecido para a Rússia e França, onde seria transformado em combustível enriquecido a 20% para seu reator em Teerã, e reenviado ao país no prazo de um ano.

 

EUA

 

Os Estados Unidos afirmaram nesta terça que, se o Irã está disposto a enviar seu urânio ao exterior para ser enriquecido, o país deveria comunicar sua vontade à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão regulador da ONU.

 

O porta-voz do Departamento de Estado, P.J Crowley, ao responder os comentários de Ahmadinejad, disse que os EUA não está interessado em renegociar um acordo de outubro no qual foi proposto que o Irã mandaria seu urânio enriquecido ao exterior em troca de combustível nuclear para um reator de pesquisa, mas que o país não aceitou.

 

"Há um fórum capaz de resolver se essa é uma oferta séria, e isso é pela AIEA. Se o Irã está falando sério, eles podem informar a AIEA que estão prontos para aceitar o acordo que está sobre a mesa", disse Crowley.

 

Mais tarde, a Casa Branca também incitou o Irã a informar a AIEA se havia mudado de ideia e se estava pronto a seguir em frente com um acordo para mandar seu urânio ao exterior para ser enriquecido.

 

"Nós fizemos boa fé e analisamos a oferta em relação ao reator de Teerã", disse o porta-voz da Casa Branca, Mike Hammer. "Nós acreditamos que ela faça sentido para todas as partes. Se os comentários do sr.Ahmadinejad refletem uma posição atualizada do Irã, nós pedimos ao Irã que informe a AIEA".

 

Notícia atualizada às 22h15 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.