Irã se diz surpreso com plano de novas sanções, pede paciência

O Irã disse neste sábado que ficousurpreso pelas novas sanções propostas por causa de seuprograma nuclear, e afirmou que as grandes potências deveriamter esperado pelo veredicto do órgão de supervisão das NaçõesUnidas, que será divulgado em março. O ministro iraniano de Relações Exteriores, ManouchehrMottaki, disse que o Irã e grandes potências -- Grã-Bretanha,França, Alemanha, Estados Unidos, Rússia e China -- tinhamcombinado de dar tempo aos inspetores da Agência Internacionalde Energia Atômica (AIEA) para esclarecer as dúvidas sobre oprograma de Teerã. "Esta cooperação começou cinco meses atrás e alcançamos ummarco nesse processo. Agora estamos à beira de finalizar essacooperação", disse Mottaki a repórteres, numa declaração àmargem do Fórum Econômico Mundial, na Suíça. "Portanto, nós os aconselhamos a ter paciência. Não faltamuito tempo até que seja divulgado o relatório final da AIEA",disse Mottaki, falando com a ajuda de um intérprete. Os países ocidentais dizem que a recusa do Irã em parar deenriquecer urânio endossa sua suspeita de que Teerã buscaproduzir armas nucleares. O Irã diz que seu programa nuclear épacífico. O país ignorou repetidas exigências da ONU para queinterrompa o enriquecimento. Na terça-feira, ministros de Relações Exteriores de seispotências concordaram em Berlim sobre um esboço de proposta deuma terceira rodada de sanções à República islâmica, e essetexto foi entregue na sexta-feira aos 10 membrosnão-permanentes do Conselho de Segurança da ONU. O texto será a base de uma resolução que deve ser aprovadano Conselho de Segurança dentro de poucas semanas. As novas medidas propostas contra Teerã pedem proibiçãoobrigatória de viagens e congelamento de bens de algunsfuncionários do primeiro escalão do Irã e cautela com todos osbancos do Irã, de acordo com o texto do esboço.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.