Irã sugere pactos econômico e militar para o Golfo

O presidente iraniano, MahmoudAhmadinejad, afirmou em uma cúpula de chefes de Estado do golfoPérsico, na segunda-feira, que Teerã deseja criar um bloco decooperação econômica e selar um pacto de segurança na região afim de promover a paz e a prosperidade. Ahmadinejad alertou os líderes do Golfo que qualquerproblema de segurança em qualquer um dos países da áreaafetaria todos os demais. O Irã atualmente enfrenta uma polêmica com os EstadosUnidos devido a seu programa nuclear, o qual, segundo potênciasocidentais, visa ao desenvolvimento de uma bomba atômica. Opaís islâmico nega e diz que sua intenção é pacífica. O governo norte-americano não descartou a possibilidade deusar a força contra o Irã caso fracasse a via diplomática. "Somos favoráveis a garantir a paz e a segurança completada região sem que haja influências externas", disse Ahmadinejadaos chefes dos pequenos países aliados dos EUA e membros doConselho de Cooperação do Golfo (GCC), em Doha. "Qualquer problema de segurança enfrentado por um país teráum impacto negativo sobre a segurança de todos os países",afirmou o presidente iraniano, em um discurso transmitido pelaTV. A Arábia Saudita, Omã, os Emirados Árabes Unidos, o Kuweit,Barein e o Catar, membros do GCC, compartilham da preocupaçãode potências ocidentais em relação ao programa nuclear do Irã ealguns deles possuem algumas disputas sobre fronteirasmarítimas com a República Islâmica. Em seu discurso, Ahmadinejad não citou nem os planosnucleares do Irã e nem uma proposta feita pela Arábia Sauditano mês passado de resolver o impasse com as potênciasocidentais por meio do fornecimento de urânio enriquecido aopaís. No entanto, em uma tentativa de fortalecer os laços entreos países do golfo Pérsico, Ahmadinejad sugeriu compartilhar osconhecimentos iranianos em várias áreas, incluindo a de"energia e novas tecnologias". O Irã já ofereceu, no passado,ajudar a região do golfo com sua experiência no setor nuclear. O governo iraniano costuma defender a adoção de um pactomilitar com os países do Golfo como melhor maneira de protegera região e livrá-la das forças norte-americanas, mas o plano,até agora, foi ignorado. (Com reportagem de Souhail Karam em Doha, Hossein Jaseb eEdmund Blair em Teerã)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.