Irã suspende condenação por adultério de Sakineh

Pena para traição é morte por apedrejamento; iraniana ainda está condenada por homicídio

Reuters

08 de setembro de 2010 | 08h59

 TEERÃ - As autoridades do Irã anunciaram nesta quarta-feira, 8, a suspensão da condenação por adultério de Sakineh Mohammadi Ashtiani. A iraniana foi condenada à morte por adultério e por participação no assassinato do marido.

 

 

Veja também:

linkAmorim: Lula influenciou decisão de suspender execução de iraniana

linkIraniana condenada a apedrejamento teria sido açoitada

especialAs punições da Sharia, a Lei Islâmica

documento As origens do sistema jurídico do Islã

especialEntenda o caso Sakineh Ashtiani

 

 

Segundo a lei islâmica aplicada no Irã, a Sharia, os dois crimes são punidos com a morte. No caso do adultério, a execução é feita por apedrejamento. A condenação por homicídio não foi suspensa, mas também está sendo investigada. Assim, Sakineh ainda pode ser executada, ainda que não por apedrejamento.

 

"O veredicto considerando as questões extramatrimoniais foi suspenso e está sendo revisto", disse o Ramin Mehmanparast ao canal estatal Press TV.

 

Na entrevista, realizada em farsi ao vivo e dublada para o inglês, o porta-voz disse que a acusação de assassinato "estava sendo investigada para a entrega do veredicto final". A imprensa iraniana sugeriu que a pena de apedrejamento poderia ser revogada, mas que ainda assim Sakineh seria enforcada.

 

"Pensamos que este é um caso muito normal. Esse procedimento se assemelha muito a outros existentes em outros países", completou Mehmanparast. Em nenhum ponto da entrevista, porém, foi mencionada o apedrejamento. Ele sempre usava os termos "pena de morte".

 

O porta-voz ainda culpou os EUA por usar o caso de Sakineh para denegrir a imagem do Irã ante a comunidade internacional, enquanto o país persa sofre com as sanções que limitam seu programa nuclear. "Parece que estão fazendo jogo político", criticou.

 

Sakineh foi condenada em 2006 por manter relações ilícitas com dois homens após ficar viúva, o que, segundo a lei islâmica, também é considerado adultério. Primeiramente a pena foi de 99 chibatadas, depois convertida em morte por apedrejamento e, posteriormente, em enforcamento.

 

Em julho deste ano, seu advogado Mohammad Mostafaei tornou público o caso em um blog na internet, o que chamou a atenção da comunidade internacional. Perseguido pelas autoridades iranianas, ele fugiu para a Turquia, de onde buscou asilo político na Noruega.

 

O governo brasileiro ofereceu refúgio a Sakineh, o que foi rejeitado por Teerã. A pena de morte foi mantida por um tribunal de apelações, que acrescentou ao caso a acusação de conspiração para a morte do marido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.