Irã testa foguete e pretende lançar satélite, diz canal de TV

Manobra deve aumentar preocupação com planos nucleares; presidente iraniano faz a contagem regressiva

PARISA HAFEZI E FREDRIK DAHL, REUTERS

04 de fevereiro de 2008 | 09h52

O Irã lançou na segunda-feira um foguete projetado para enviar ao espaço, no próximo ano, seu primeiro satélite de fabricação nacional, afirmou um canal público de TV do país. A manobra deve alimentar ainda mais as preocupações de potências ocidentais com os planos nucleares do governo iraniano. A tecnologia usada para colocar satélites em órbita também pode servir para o lançamento de armas, disseram analistas. Potências ocidentais temem que o Irã esteja tentando dominar a tecnologia nuclear a fim de construir bombas. O país insiste que seu projeto visa apenas à geração de eletricidade. O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, fez a contagem regressiva para o lançamento do foguete enquanto autoridades reunidas na sala de controle gritavam "Deus é o maior", afirmou o canal de TV. "As implicações (do teste) são muito interessantes. Se eles conseguirem colocar um satélite em órbita, os israelenses dirão que não há motivos para duvidar da capacidade do Irã de montar um sistema de armas do tipo ou de lançar um míssil balístico de longo alcance", afirmou o analista Paul Beaver, de Londres. Imagens de TV mostraram o foguete ganhando altitude desde uma plataforma de lançamento instalada em uma área de deserto. Um pára-quedas parece ter saído do foguete pouco depois. Não foram divulgados muitos detalhes a respeito do teste. Segundo meios de comunicação oficiais, o satélite, chamado Omid (esperança), seria lançado em março de 2009. "Precisamos ter uma presença ativa e influente no espaço", disse Ahmadinejad na cerimônia. "A construção e o lançamento de um satélite representam uma conquista muito importante." Especialistas do Ocidente afirmam que o Irã quase nunca divulga detalhes suficientes para que possam avaliar com mais precisão os avanços tecnológicos do país. Mas Beaver disse que o Irã realizava progressos. "Acho que esse é mais um indício de que a tecnologia iraniana avança muito rapidamente", afirmou à Reuters. Autoridades norte-americanas acusaram o Irã de pretender equipar seus mísseis com ogivas nucleares. O país, quarto maior produtor de petróleo do mundo, diz que seu programa nuclear visa apenas à geração de eletricidade de modo a direcionar uma maior quantidade de petróleo e gás para a exportação.

Tudo o que sabemos sobre:
IRATESTAFOGUETE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.