Irã troca comandante da Guarda Revolucionária

A principal autoridade do Irã, o lídersupremo aiatolá Ali Khamenei, substituiu neste sábado ocomandante da Guarda Revolucionária, uma força que os EstadosUnidos ameaçaram classificar como um grupo terrorista. O comandante-em-chefe da Guarda Revolucionária, Yahya RahimSafavi, foi substituído por Mohammad Ali Jafari, que já ocupavaum posto de comando na entidade. Khamenei deu a notícia sobre asubstituição em um pronunciamento feito na TV. O dirigente,porém, não explicou os motivos da manobra. "Considerando a valiosa experiência do senhor e a brilhanteatuação do senhor em vários momentos, e considerando asdiversas responsabilidades na Guarda, eu o nomeio (Jafari) comocomandante-em-chefe dessa organização revolucionária," disseKhamenei. Segundo ele, Safavi, que liderou a Guarda por dez anos, setornaria assessor dele para questões envolvendo as ForçasArmadas. A Guarda foi criada pouco depois da Revolução Islâmica noIrã, em 1979, para funcionar como defensora da RepúblicaIslâmica. A força possui uma estrutura de comando diferentedaquela dos militares e responde diretamente a Khamenei. A Guarda conta com forças marítimas, terrestres e aéreas. Além de ser uma força de combate, a Guarda Revolucionáriamantém vários empreendimentos econômicos, entre os quais aKhatam al-Anbia, que assumiu o controle de projetos de petróleoe gás no Irã, o quarto maior produtor de petróleo no mundo. Autoridades norte-americanas disseram que os EUA podemclassificar a força como um grupo terrorista. Essa manobrapermitiria ao país coibir os empreendimentos financeiros daGuarda. O governo iraniano rebateu a ameaça. Analistas vêem na declaração norte-americana mais umcomponente dos esforços para isolar o Irã devido ao programanuclear do país, o qual, segundo o presidente dos EUA, GeorgeW. Bush, colocou a região "sob a sombra de um holocaustonuclear". O Irã diz que seu programa é pacífico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.