Irã vai inspecionar navios caso outros países atendam as sanções da ONU

Medidas preveem fiscalização de embarcações iranianas e parlamentar diz que país fará o mesmo

Reuters

11 de junho de 2010 | 14h02

TEERÃ - Um importante parlamentar iraniano disse nesta sexta-feira, 11, que o Irã vai inspecionar carregamentos de navios estrangeiros que chegam ao país pelo Golfo, um importante canal de comércio de petróleo, se seus navios receberem o mesmo tratamento por conta das recentes sanções aplicadas pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Veja também:

linkObama cometeu erro com sanções, diz Ahmadinejad

linkGates se diz 'desapontado' com a Turquia

linkEuropeus devem impor mais sanções ao Irã

linkRússia: sanções afetam envio de mísseis ao Irã

lista Entenda o impasse e as sanções sobre o Irã

lista Veja as sanções que já foram aplicadas ao Irã

 

As sanções preveem que cada país que receba ou envie navios ao Irã deva inspecionar o carregamento da embarcação. As medidas foram impostas pela falta de cooperação do Irã com as investigações da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) sobre seu programa nuclear, que recusa a abandonar e que o Ocidente teme ter fins bélicos.

 

"Se ocorrer de apenas um navio iraniano ser submetido a inspeção, nós buscaremos a retaliação e vamos fazer investigações em várias embarcações", disse o parlamentar Hossein Ibrahimi, segundo a agência de notícias Mehr. Ibrahimi é vice-chefe da Comissão Parlamentar de Segurança Nacional e Política Externa.

 

"O Estreito de Hormuz e o Golfo Pérsico serão nosso campo de manobras em relação a isso e quem quer que tenha a intenção de causar danos ao nosso país receberá o mesmo tratamento em troca", disse o parlamentar, referindo-se ao canal por onde passa cerca de 40% do petróleo comercializado em todo o mundo.

 

As sanções foram aprovadas pelo Conselho de Segurança na quarta-feira. Dos 15 membros do órgão, 12 votaram a favor, dois contra - Brasil e Turquia - e apenas o Líbano se absteve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.