Irã vai responder a proposta nuclear nesta 5ª em Viena

Agência diz que Teerã aceitará acordo da ONU para enriquecer urânio no exterior, mas vai propor mudanças

Reuters e Efe,

28 de outubro de 2009 | 10h11

O representante do Irã na agência nuclear da ONU vai apresentar nesta quinta-feira, em Viena, a posição do governo de Teerã sobre uma proposta de acordo sobre o urânio enriquecido da República Islâmica, informou a agência de notícias semioficial Mehr nesta quarta-feira, 28.

 

Veja também:

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Citando uma fonte informada, a Mehr disse que Ali Asghar Soltanieh iria apresentar a resposta oficial do Irã a Mohamed ElBaradei, chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). A Mehr disse que Soltanieh partiria para a Áustria na quarta-feira. Repetindo uma notícia divulgada pela televisão estatal iraniana na terça, a Mehr disse que o Irã iria aceitar a proposta da ONU, mas iria propor mudanças ao texto. A agência de notícias não entrou em detalhes.

 

Sob a proposta feita por ElBaradei no começo deste mês em Viena, depois de consultas com o Irã, EUA, França e Rússia, o Irã iria enviar urânio com baixo enriquecimento (LEU) para o exterior, onde seria processado. A proposta da ONU pede que o Irã transfira cerca de 75% de seu conhecido estoque de 1,5 tonelada de LEU para a Rússia, onde seria enriquecido até o final deste ano. O produto então seria enviado para a França para ser convertido em placas de combustível. Essas voltariam para Teerã para alimentar um reator de pesquisas que produz radioisótopos para o tratamento de câncer.

 

Outra agência de notícias iraniana, a Isna, citou um importante parlamentar dizendo que o Irã iria apresentar sua posição sobre a proposta na quinta-feira. "O Irã vai apresentar sua resposta à proposta da agência (nuclear da ONU) na quinta-feira", disse Mohammad Karamirad, membro do comitê de política externa e de segurança nacional do Parlamento, segundo divulgou a ISNA.

 

O Irã diz que está enriquecendo urânio apenas para alimentar usinas de energia, não para ogivas nucleares. Mas sua história de segredos nucleares e as restrições à entrada de inspetores da ONU em usinas levantaram suspeitas no Ocidente de que o país islâmico estaria tentando obter a capacidade de fabricar armas nucleares.

 

Inspeção de usina

 

Os quatro inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) finalizaram sua viagem ao Irã após terem visitado as instalações nucleares de Fordu, perto da cidade iraniana de Qom, ao sul de Teerã.

 

O jornal reformista iraniano "Etemad" publicou que os inspetores, que chegaram a Teerã no sábado passado, voltaram a Viena na madrugada de terça-feira, após terem visitado estas novas instalações de enriquecimento de urânio. O diário não deu detalhes sobre o resultado da visita dos inspetores a essas dependências, localizadas 160 quilômetros ao sul de Teerã.

 

Grande parte da comunidade internacional, com os Estados Unidos à frente, acusa Teerã de esconder, sob seu programa civil, outro de natureza clandestina e aplicações militares cujo objetivo seria a aquisição de armamento atômico, alegação que o regime iraniano nega.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.