Fadi Zaidan/AP
Fadi Zaidan/AP

Irã viola sanções e arma a Síria, diz ONU

Teerã segue exportando armamentos ao país, apesar de proibição imposta pela ONU

LOUIS CHARBONNEAU, REUTERS

16 Maio 2012 | 19h43

GENEBRA - A Síria continua sendo o principal destino das armas exportadas pelo Irã, violando a proibição de exportações armamentistas impostas pela ONU à República Islâmica, segundo um relatório preliminar confidencial feito por especialistas da organização, ao qual a  agência Reuters teve acesso nesta quarta-feira, 16.

Veja também:

link Monitores da ONU são retirados de cidade síria

link Militar brasileiro estava em comboio atacado na Síria

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

O Irã, como a Rússia, é um dos poucos aliados do presidente sírio, Bashar al-Assad, que há 14 meses enfrenta uma rebelião interna contra o seu regime.

O relatório, apresentado pelos especialistas à comissão de sanções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, disse que o painel investigou três grandes lotes de armas fornecidos pelo Irã ao longo do último ano.

"Dois desses casos envolveram a República Árabe da Síria, como na maioria dos casos inspecionados pela comissão durante seu mandato anterior, salientando que a Síria continua sendo parte central nas transferências ilícitas de armas iranianas", disse o texto.

O relatório também cita tentativas iranianas de burlar sanções ao seu programa nuclear, mas observa que as quatro rodadas de medidas punitivas impostas entre 2006 e 2010 pelo Conselho ao Irã estão tendo impacto.

"As sanções estão desacelerando a aquisição de alguns itens críticos necessários para seu programa nuclear proibido", disse o texto. "Ao mesmo tempo, atividades proibidas continuam, incluindo o enriquecimento de urânio."

O relatório fala longamente sobre as Linhas de Navegação da República Islâmica do Irã (IRISL, na sigla em inglês). A empresa não está oficialmente submetida a sanções pela ONU, mas três subsidiárias suas foram punidas, e o Conselho alerta os governos nacionais a serem vigilantes contra eventuais violações da IRISL ao regime de sanções.

O relatório da comissão diz que uma das subsidiárias da IRISL submetida a sanções, a Irano Hind Shipping Company, continua operando embarcações. Diz também que a IRISL é uma empresa difícil de monitorar, pois constantemente altera a propriedade, os nomes e as bandeiras nacionais dos seus navios.

Diplomatas disseram à Reuters que o relatório preliminar pode ser alterado pelo comitê do Conselho encarregado de monitorar as sanções ao Irã, antes de ser submetido à aprovação do próprio Conselho. O relatório feito no ano passado pelos especialistas nunca foi divulgado por causa de um veto russo.

Mais conteúdo sobre:
Primavera Árabe IRA SIRIA EXCLUSIVO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.