Iraniana condenada a apedrejamento aparece na TV e admite crimes

A mulher iraniana condenada à morte por apedrejamento, o que causou protestos em vários países, aparentemente confessou ter cometido adultério e falou sobre o assassinato de seu marido em uma entrevista à TV estatal.

ROBIN POMEROY, REUTERS

12 de agosto de 2010 | 08h40

Na entrevista, transmitida na noite de quarta-feira, Sakineh Mohammadi Ashtiani também criticou seu advogado por divulgar publicamente o seu caso e disse que isso trouxe vergonha para sua família.

Um grupo de defesa dos direitos humano, o Comitê Internacional contra o Apedrejamento, qualificou o programa de TV de "propaganda tóxica". Ashtiani havia anteriormente negado as acusações de adultério.

A atenção dada pela mídia internacional ao caso revelou o elevado número de execuções no país e pode ter evitado que Ashtiani seja apedrejada até a morte, segundo o advogado dela, que se refugiou na Europa.

Como a imagem dela estava obscurecida e a voz, encoberta pela tradução de um dialeto regional para o persa -- o idioma oficial do Irã--, não foi possível confirmar por fonte independente a identidade da mulher.

Ashtiani contou como manteve um relacionamento com o primo do marido. "Ele me disse: 'Vamos matar seu marido'. Eu realmente não pude acreditar que meu marido seria morto. Pensei que ele estivesse brincando", disse Ashtiani. "Depois, descobri que assassinar era a profissão dele. Ele veio a nossa casa e trouxe todo o material. Trouxe aparelhos elétricos, fios e luvas. Depois, matou meu marido conectando-o à eletricidade", declarou.

O diretor do Judiciário da província iraniana do Azerbaidjão do Leste disse no programa de TV que Ashtiani havia injetado um anestésico no marido.

"Depois que o marido ficou inconsciente, o verdadeiro assassino matou a vítima ao conectá-la pelo pescoço à eletricidade", afirmou ele.

Não ficou claro se o primo foi preso.

Mãe de duas crianças, Ashtiani já recebeu 99 chibatadas por ter mantido um relacionamento ilícito com dois homens. A sentença de apedrejamento foi suspensa enquanto a Justiça reexamina o caso, mas ainda pode ser executada, disse uma autoridade do Judiciário iraniano.

Assassinato, adultério, estupro, assalto a mão armada, apostasia e tráfico de drogas são crimes punidos com a pena de morte pela lei islâmica da Sharia, em vigor no Irã desde a Revolução Islâmica de 1979.

O advogado dela, Mohammad Mostafaei, disse à Reuters em entrevista no começo da semana que Ashtiani, condenada por "adultério quando era casada", iria provavelmente ser poupada do apedrejamento graças à pressão internacional.

As autoridades do Irã emitiram ordem de prisão contra Mostafael e mantiveram a mulher dele na prisão por duas semanas, numa tentativa de forçá-lo a retornar ao Irã, disse ele.

Na entrevista, Ashtiani disse que iria entrar com uma ação contra Mostafaei, que está na Noruega.

O programa de TV afirmou que o Ocidente deu tanto destaque ao caso na esperança de pressionar o Irã a libertar três norte-americanos que estão presos há mais de um ano depois de terem sido detidos perto da fronteira iraquiana, onde, segundo suas famílias, estavam pegando carona.

(Reportagem adicional de Hossein Jaseb)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAMULHERAPEDREJAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.