Iraniano recebe pena de morte por assassinato de cientista

Um iraniano acusado de assassinar um cientista por interesse de Israel foi sentenciado à pena de morte, informou neste domingo a agência de notícias oficial do Irã, IRNA.

REUTERS

28 de agosto de 2011 | 10h57

Majid Jamali-Fashi foi considerado culpado por assassinar Massoud Ali-Mohammadi em janeiro de 2010, no primeiro de vários ataques a cientistas que, segundo o Irã, foram realizados por inimigos que desejavam impedir que o país desenvolvesse tecnologia nuclear.

A promotoria disse que Jamali-Fashi viajou para Israel para receber treinamento do Mossad, o serviço secreto do país judaico, e que ele ganhou 120 mil dólares pelo assassinato.

Um porta-voz judiciário disse à IRNA que o homem foi condenado à morte por "realizar guerra contra Deus" e por ser "corrupto na Terra", ambos crimes capitais na Lei Islâmica que se aplica no Irã.

Embora a IRNA tenha descrito Ali-Mohammadi como cientista nuclear, um porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã disse nos dias posteriores à morte que ele não tinha papel algum nas atividades da entidade.

Um site da oposição iraniana afirmou na época que Ali-Mohammadi era um partidário da oposição e que apoiou o candidato moderado Mirhossein Mousavi nas polêmicas eleições de junho de 2009, sugerindo que haveria outros possíveis motivos para a sua morte.

Onze meses após a explosão da bomba que matou Ali-Mohammadi enquanto ele ia para o trabalho, outros dois cientistas foram atacados.

Majid Shahriyari, que segundo autoridades participou dos maiores projetos nucleares do Irã, foi morto, mas Fereydoun Abbasi-Davani sobreviveu e acabou escolhido como chefe da organização nuclear do país.

Washington negou qualquer envolvimento nos assassinatos, enquanto Israel nem sequer os comentou.

(Reportagem de Robin Pomeroy)

Tudo o que sabemos sobre:
IRACIENTISTAMORTODS3*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.