Iraque acusa Blackwater de matar 'premeditadamente'

Governo diz que seguranças se excederam no 'uso da força' em assassinato de 17 civis iraquianos

Efe,

07 de outubro de 2007 | 17h23

O governo do Iraque acusou neste domingo, 7, os agentes da companhia de segurança americana Blackwater de ter assassinado "premeditadamente" 17 civis iraquianos em 16 de setembro, em Bagdá, informou o porta-voz do Executivo, Ali al-Dabbagh. "A investigação feita pela comissão que o Governo formou para esclarecer o incidente da praça de Al-Nusur constatou que os veículos da empresa não foram baleados direta ou indiretamente, e nem sequer foram apedrejados", disse Dabbagh. Nesse sentido, o porta-voz ressaltou que o comitê considera que "os membros da Blackwater cometeram um crime premeditado" ao ter atirado indiscriminadamente contra os civis. Segundo o porta-voz, "os agentes da companhia infringiram a lei e as normas que regulam as atividades da empresas privadas de segurança, ao ter excedido o uso da força, e que deve punido de acordo com a lei". Além disso, Dabbagh revelou que o número definitivo de vítimas dos agentes da Blackwater na praça de Al-Nusur, chegou a um total 17 pessoas mortas e 27 feridos. Uma apuração anterior divulgada recentemente pelas autoridades indicava que o incidente matou 11 civis e deixou 16 feridos. O responsável iraquiano afirmou também que o Conselho de Ministros adotará "medidas judiciais contra a companhia", após estudar as recomendações da comissão investigadora governamental e do comitê misto iraquiano-americano. O comunicado do governo ocorre poucas horas depois de a comissão mista americano-iraquiana se reunir hoje, em Bagdá, para analisar as atividades das companhias de segurança estrangeiras no Iraque. "A reunião, a primeira realizada pela comissão, foi presidida pelo ministro da Defesa iraquiano Abdel Kader Mohammed Jassim, e pelo diplomata número dois da Embaixada dos EUA em Bagdá, Patricia Butenis", segundo um comunicado do Ministério da Defesa iraquiano. Segundo a nota, a comissão preparará um relatório com recomendações para apresentá-lo aos Governos do Iraque e dos EUA, além de propostas para garantir a segurança aos civis das atividades realizadas pelos agentes dessas companhias.

Tudo o que sabemos sobre:
BlackwaterIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.