Iraque diz que começou a aplicar novas medidas contra o PKK

Porta-voz do governo iraquiano diz que país está 'preocupado com presença do PKK, porque é uma ameaça'

Efe

03 de novembro de 2007 | 17h32

O Governo iraquiano afirmou neste sábado,3, que já começou a aplicar novas medidas contra o grupo armado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no norte do país e reforçou a vigilância da fronteira com a Turquia.   O porta-voz do Governo iraquiano, Ali al-Dabbagh, disse que seu país "já toma medidas concretas contra o PKK", que levarão a legenda ao isolamento. Enquanto isso, a agência pró-curda Firat informou que os escritórios do Partido da Solução Democrática Curda (PSDK, próximo ao PKK) foram cercados na cidade de Erbil, capital da região autônoma curda do norte do Iraque.   Perguntado sobre o motivo da demora nas ações, Dabbagh admitiu que foi necessária muita preparação e a coordenação entre o Executivo central e o Governo autônomo curdo do norte do Iraque. "Estamos preocupados com a presença do PKK, porque é uma ameaça tanto para a Turquia quanto para o Iraque", afirmou durante a 2ª Cúpula Ampliada de Países Vizinhos do Iraque realizada hoje em Istambul.   O porta-voz iraquiano tinha afirmado anteriormente que entre as medidas postas em prática neste sábado também estavam algumas destinadas a reforçar a vigilância fronteiriça para evitar a entrada de guerrilheiros do PKK na Turquia. Mesmo assim, ele se mostrou um tanto pessimista sobre as ações que o Governo de Bagdá poderá tomar contra o PKK na montanhosa fronteira turco-iraquiana.   "Trata-se de um terreno muito montanhoso e difícil, como o Paquistão ou Afeganistão. E já vimos as dificuldades que os americanos enfrentaram no Afeganistão contra a Al Qaeda", disse. A Turquia concentrou mais de 100 mil efetivos militares ao longo da fronteira iraquiana e ameaça lançar uma incursão militar contra as bases no norte do Iraque do PKK, organização que, segundo acusa, está protegida pela administração curdo-iraquiana.   "O importante é que o Parlamento iraquiano declarou o PKK como terrorista e isto cabe a todos os níveis do Governo", afirmou o porta-voz iraquiano, que negou que o presidente do Governo Regional Curdo do norte do Iraque, Massoud Barzani, esteja contra das ordens do Governo central.   "O Governo Regional Curdo é parte do Governo do Iraque e estão comprometidos com suas decisões. Barzani também as apóia", acrescentou.   O porta-voz do Governo iraquiano também afirmou que os oito soldados turcos capturados em uma emboscada no mês passado pelo PKK poderão ser libertados em breve. "Esperamos boas notícias (sobre os soldados turcos) em breve. O Governo Regional Curdo está trabalhando para que possam voltar para casa", afirmou Dabbagh.   Sobre as relações com os EUA, Dabbagh manifestou seu desejo de que o Govero iraquiano "soberano e democraticamente eleito" encontre "novas fórmulas" nas relações bilaterais com os EUA, assim que as tropas de ocupação deixarem o país.

Tudo o que sabemos sobre:
IraquePKKmedidas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.