Iraque diz que EUA e Irã realizarão um novo encontro em breve

O Irã e os EUA realizarão em breve umasegunda rodada de negociações sobre a situação do Iraque, dandocontinuidade assim ao encontro histórico ocorrido em maio,afirmou na terça-feira o ministro iraquiano das RelaçõesExteriores, Hoshiyar Zebari. O governo norte-americano acusa os iranianos de fomentarema violência sectária no Iraque. O Irã, um país xiita, nega darapoio a insurgentes no território vizinho e culpa a invasãoliderada pelos EUA em 2003 pelo derramamento de sangue entre amaioria xiita e a minoria sunita do Iraque. Mas o recrudescimento da violência no território iraquianolevou os dois países, que cortaram relações diplomáticas poucodepois da Revolução Islâmica no Irã (1979), a buscarem pontosem comum a respeito da situação iraquiana. "Posso confirmar que dentro em breve haverá uma segundarodada de negociações em Bagdá. Será um encontro envolvendoembaixadores. O Iraque participará dele, e as negociaçõestratarão da estabilidade e da segurança no Iraque", afirmouZebari à Reuters, por telefone. Em Teerã, o ministro iraniano das Relações Exteriores,Manouchehr Mottaki, afirmou a repórteres haver uma "grandepossibilidade" de que aconteça uma segunda rodada denegociações no "futuro próximo." Chamando atenção para a situação caótica instalada noIraque, quatro pessoas foram mortas e outras cinco ficaramferidas na explosão de um carro-bomba dentro de umestacionamento localizado na frente da Embaixada do Irã emBagdá, disse a polícia iraquiana. Os embaixadores iraniano e norte-americano presentes noIraque reuniram-se em Bagdá, no dia 28 de maio -- realizando oencontro de mais alto escalão entre das últimas três décadas. Os EUA lideram atualmente os esforços diplomáticos paraisolar o Irã devido ao programa nuclear deste país -- os doislados afirmam que quaisquer negociações sobre o Iraque nãotratam de nada além disso. Os EUA pressionam os políticos iraquianos a aprovarem leisa respeito da divisão de poderes dentro do Iraque, o que,acredita, reaproximaria os xiitas, sunitas e curdos. Em um sinal de que a classe política iraquiana,profundamente divida, pode estar prestes a resolver algumas desuas disputas, o bloco do clérigo xiita Moqtada al-Sadr,contrário aos EUA, disse ter suspendido seu boicote aoParlamento. "A partir de hoje, retomamos nossas atividades noParlamento. Estamos de volta", afirmou Nassar al-Rubaei,porta-voz do bloco dentro do órgão legislativo. O movimento ocupa 30 das 275 cadeiras do Parlamento. Essacota representa um quarto da bancada da Aliança xiita, ligadaao primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki. Segundo Rubaei, o bloco havia recebido garantias doParlamento de que o governo protegeria os locais sagrados. A bancada de Sadr se retirou do Parlamento de 13 de junhoapós os minaretes gêmeos da Mesquita Dourada, em Samarra, teremsido destruídos por supostos militantes da rede Al Qaeda, umgrupo sunita. O bloco reclamou então que o governo de Maliki não vinhaadotando as medidas necessárias para proteger os locaissagrados do Iraque. No mês passado, depois de perder o cargo de presidente doParlamento, o bloco sunita Frente da Concórdia também seretirou do órgão legislativo. Esse bloco não retomou suasatividades ainda, e os ministros dele vêm boicotando asreuniões do gabinete de governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.