Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Iraque exige retirada imediata de tropas turcas do país

Rebeldes afirmam que 20 soldados foram mortos na ofensiva, número diferente do anunciado pelo Exército

Associated Press e Efe,

26 de fevereiro de 2008 | 09h25

O governo do Iraque criticou nesta terça-feira, 26, a incursão turca em seu território e exigiu a retirada imediata das tropas. O porta-voz Ali al-Dabbagh considerou a ação militar uma violação da soberania iraquiana, e pediu ao governo turco que recorra ao diálogo com os iraquianos.   A Turquia lançou a incursão no norte do Iraque na quinta-feira para erradicar bases de rebeldes separatistas do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, ou PKK. O partido luta pela autonomia no sudeste predominantemente curdo da Turquia, e tem promovido ataques a partir de bases na região curda iraquiana. Mais de 40 mil pessoas já foram mortas desde que o conflito explodiu em 1984.   "O gabinete iraquiano denuncia a incursão do exército turco", afirmou al-Dabbagh, lendo um comunicado na televisão depois de uma reunião do governo para discutir a questão. "O gabinete pede que a Turquia retire imediatamente suas tropas e suspenda a interferência militar".   A ofensiva turca ocorre em meio a fortes pressões da população para que o governo tomasse ações mais duras contra os rebeldes separatistas. Tropas turcas voltaram a atacar, na segunda-feira, alvos do grupo separatista curdo Partido de Trabalhadores do Curdistão (PKK), no norte do Iraque.   O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) afirma que seus milicianos mataram mais de 20 soldados nas últimas horas, enquanto continuam os combates entre este grupo e o Exército turco no norte do Iraque. Ahmed Danees, porta-voz do escritório político do PKK, disse que os combatentes curdos feriram também dezenas de militares turcos, em combates na área fronteiriça de Zab, na província de Dahuk.   Este número de baixas contrasta com os números anunciados diariamente pelo Exército turco, que reduz para 17 o número total de militares que morreram nos combates, e eleva para 153 as vítimas fatais entre os membros do PKK.

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaIraquePKK

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.