Iraque fecha passagem na fronteira com Jordânia após protestos sunitas

O Iraque fechou uma passagem na fronteira com a Jordânia nesta quarta-feira, depois que manifestantes muçulmanos sunitas bloquearam uma estrada para Síria e Jordânia como parte de um grande protesto que contesta a delicada divisão de poder do primeiro-ministro xiita, Nuri al-Maliki.

Reuters

09 de janeiro de 2013 | 08h51

O governo iraquiano mandou tropas fecharem o posto da fronteira de Traibil, no centro de concentração sunita da província de Anbar, onde protestos vieram à tona no final de dezembro depois que autoridades prenderam os guarda-costas do ministro das finanças sunita, informaram autoridades locais.

"Nosso trabalho foi interrompido completamente", disse o coronel Mahmoud Mohammed Ali, vice-chefe da polícia de fronteira no local, à Reuters por telefone. "Não há caminhões, não há carros de passageiros, e os funcionários nos portões não estão trabalhando."

Autoridades sunitas locais em Anbar disseram que o governo central havia fechado a passagem para sufocar a economia local, em uma tentativa de pressionar os manifestantes que bloquearam a rodovia principal que corta a província do deserto por mais de duas semanas.

Milhares de manifestantes estão acampando na estrada perto do foco de resistência sunita de Ramadi, cerca de 100 quilômetros a oeste de Bagdá, antes do ponto em que ela se bifurca, com uma estrada levando à Síria e outra à Jordânia.

Os protestos tornaram-se um grande teste para Maliki, um xiita nacionalista, o qual muitos líderes sunitas acusam de marginalizar sua vertente minoritária, impondo sua própria autoridade e aproximando o país membro da Opep à potência xiita Irã.

(Reportagem de Raheem Salman)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEFECHAFRONTEIRAJORDANIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.