Iraque pede que profissionais exilados voltem ao país

O Iraque pediu a médicos, professores, cientistas e outros profissionais qualificados que estejam no exílio que voltem ao país agora que a segurança melhorou, mas na terça-feira poucos desses exilados disseram estar dispostos a regressar. Numa conferência de dois dias destinada a atrair milhares de profissionais qualificados de volta ao país, após anos de guerra, sanções e violência sectária, o primeiro-ministro Nuri Al Maliki pediu à elite na diáspora que ajude a reconstruir o Iraque. "Dizemos francamente que o país não pode ser construído sem vocês", afirmou ele num discurso de abertura da conferência, na segunda- feira. "Não podemos assumir plenamente a responsabilidade na sua ausência, e com a ausência das capacidades e qualificações que temos", afirmou. Levas de médicos, engenheiros, advogados e conferencistas fugiram do Iraque depois da invasão norte-americana de 2003. Outros já haviam emigrado durante as sanções da ONU contra o regime de Saddam Hussein. Embora a violência tenha diminuído sensivelmente neste ano, muitos dos 200 profissionais presentes na terça-feira à conferência tinham restrições sobre voltar a um país onde ainda há casos diários de civis sendo mortos por atentados e tiroteios. "Eu iria devagar e pensaria cem vezes antes de voltar", disse Ahmed Mousa, professor de Estudos do Desenvolvimento, radicado na Noruega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.