Iraque prende 16 supostos membros da Al-Qaeda

Segundo autoridade iraquiana, eles estariam por trás da morte de mais de 100 pessoas em Bagdá

REUTERS

24 de julho de 2011 | 15h05

BAGDÁ - As forças de segurança do Iraque prenderam 16 suspeitos de integrarem a Al-Qaeda. Eles estariam por trás de mais de 100 mortes na capital Bagdá, disse neste domingo, 24, uma autoridade sênior de segurança.

 

O general Ahmed Abu Ragheef, chefe de assuntos internos do Ministério do Interior, acusou os homens de serem os responsáveis pelo assassinato em maio de Ali al-Lami, político iraquiano que ajudou a banir o partido Baath, do ex-líder Saddam Hussein, após a invasão ao Iraque liderada pelos Estados Unidos em 2003.

 

Militantes têm ampliado os ataques, especialmente com alvos na polícia e bases militares, na tentativa de desestabilizar o governo à medida que as tropas dos EUA se preparam para deixar o país em dezembro, mais de oito anos após a queda de Saddam Hussein.

 

"Conseguimos prender o grupo terrorista que foi responsável pelos recentes assassinatos em Bagdá", disse Ragheef durante entrevista coletiva.

Ragheef afirmou que foram presos 16 homens em uma operação, incluindo o líder do grupo. Ele também disse que foi descoberto um depósito de armas e uma fábrica para produção de armas e bombas ao sul de Bagdá.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEPRISOESALQAEDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.