Iraque processa empresas por suborno vinculado a programa da ONU

O governo do Iraque começou aprocessar, na segunda-feira, dezenas de empresas pedindoindenizações no valor de mais de 10 bilhões de dólares sob aacusação de que pagaram subornos durante o governo do ditadorSaddam Hussein em meio ao programa petróleo-por-comida. O processo, apresentado a uma corte da Justiça Federal dosEUA em Manhattan, exige o pagamento de indenizações dasempresas investigadas por uma comissão de inquérito daOrganização das Nações Unidas (ONU) sob a alegação de quetiraram do povo iraquiano parte dos benefícios do programa de67 bilhões de dólares. O programa, comandado pela ONU e em funcionamento de 1996 a2003, foi criado para ajudar os iraquianos a conviverem com assanções impostas pela entidade depois de o Iraque ter invadidoo Kuweit, em 1990. O programa permitia ao governo do país árabevender petróleo a fim de comprar produtos de caráterhumanitário. O processo afirma que bilhões de dólares perderam-se,"montante esse que poderia ter sido usado para adquiriralimentos, remédios e outros produtos capazes de chegar às mãosdo povo iraquiano." Entre os indivíduos nomeados na ação estão os negociantesde petróleo do Texas Oscar Wyatt e David Chalmers. Ambosadmitiram ter pagado milhões de dólares em comissões ilegaispara o regime de Saddam. No entanto, um inquérito requisitado pela ONU e comandadopelo ex-presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA)Paul Volcker descobriu que 2.200 empresas de 66 paísescorromperam o programa, pagando 1,8 bilhão de dólares emsuborno para autoridades iraquianas. O processo surge depois de os EUA haverem investigado oprograma com vistas a identificar a prática de crimes, algo quelevou à condenação indivíduos, entre os quais Wyatt e Chalmers,e empresas, como a Chevron, que aceitou pagar 30 milhões dedólares para colocar fim aos processos civil e criminal. As empresas citadas na ação proposta pelo Iraque nãopuderam ser contatadas para se manifestar sobre a questão. A petição inicial disse que os réus violaram leisnorte-americanas, incluindo as leis de combate a fraude decorrespondência e lavagem de dinheiro. A Chevron e a Vitol, umaempresa petrolífera da Suíça, também foram acusadas de violarseus deveres fiduciários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.