Iraque quer alterações em acordo de segurança com EUA

Governo americano tenta chegar a acordo para estender permanência de tropas no país até 2012

Agência Estado e Associated Press,

21 de outubro de 2008 | 11h19

O governo iraquiano decidiu pedir ao Exército americano alterações não especificadas no esboço de um acordo de segurança para permitir a permanência dos soldados dos Estados Unidos no Iraque por mais três anos. Ali al-Dabbagh, porta-voz do governo iraquiano, disse que a decisão do gabinete foi tomada depois de uma reunião de cinco horas e meia de duração realizada nesta terça-feira, 21.   Participaram do encontro o primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, e seus ministros. Eles analisaram minuciosamente os detalhes do acordo. O pacto precisa ser aprovado pelo Parlamento iraquiano antes de dezembro, quando expira a autorização da Organização das Nações Unidas (ONU) para a permanência de tropas estrangeiras no Iraque. Caso contrário, não haverá base legal para a permanência de uma missão militar liderada pelos EUA no país árabe.   O acordo tem sido alvo de críticas desde a divulgação de um esboço do documento. Funcionários dizem que o pacto inclui prazo para a retirada dos EUA do Iraque até 2012, e um compromisso crucial, embora impopular para os norte-americanos, que dá ao governo iraquiano autonomia limitada para julgar soldados e seguranças norte-americanos que cometerem crimes contra cidadãos do país fora de serviço ou fora das bases militares.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.