Iraque quer que Conselho de Segurança da ONU aprove mais ajuda militar

O embaixador do Iraque na França pediu que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprove um auxílio militar extra para Bagdá, incluindo apoio aéreo e drones, em sua reunião em Nova York nesta quinta-feira.

REUTERS

12 de junho de 2014 | 10h26

“Precisamos de equipamentos, aviação e drones extras”, disse Fareed Yasseen quando questionado por uma rádio francesa sobre o que o Iraque queria do Conselho.

“O Conselho deve apoiar o Iraque porque o que está acontecendo não é apenas uma ameaça para o Iraque, mas para a região inteira”, acrescentou.

Rebeldes sunitas de um grupo dissidente da al Qaeda invadiram a cidade iraquiana de Tikrit na quarta-feira, e cercaram a maior refinaria de petróleo do país, em Baiji, ganhando terreno em uma rápida ofensiva militar contra o governo central iraquiano em Bagdá, liderado por xiitas.

Os militantes do grupo Estado Islâmico do Iraque e o Levante (EIIL) também assumiram o controle da cidade de Mosul, no norte do país, avançando com seus planos de criar um Estado islâmico sunita na fronteira entra o Iraque a Síria.

Yasseen disse que, pelo que está sabendo, o governo do Iraque ainda não havia pedido que os Estados Unidos lançassem ataques aéreos contra militantes islâmicos que pareciam estar seguindo em direção a Bagdá.

“Os Estados Unidos só vão lançar ataques aéreos se o governo iraquiano pedir, e se isso acontecer, significa que foi necessário”, disse o embaixador.

Segundo ele, agora parece que o avanço dos militantes islâmicos foi bloqueado e que as forças especiais iraquianas estavam estabilizando a situação ao norte da capital.

“O que escutei foi que o avanço deles foi detido. Forças especiais foram acionadas e estão fazendo seu trabalho. Eles já garantiram a segurança em Samarra e na grande refinaria de Baiji. Essas duas regiões estão estabilizadas”.

(Por John Irish)

Mais conteúdo sobre:
IRAQUEONUISLAMITAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.