Iraque registra queda em número de civis mortos em julho

O número de civis mortos noIraque no mês passado caiu para menos de um quarto da cifraregistrada em julho de 2007, mostraram dados do governoiraquiano divulgados na sexta-feira. O fato aponta para um avanço dramático no combate àviolência dentro do país. A queda no número de ataques e atentados representa uma boanotícia para o presidente norte-americano, George W. Bush, quena quinta-feira aventou a hipótese de reduzir ainda mais ocontingente militar dos EUA presente no Iraque. Segundo os dados, 387 civis foram mortos no mês passado,contra 448 em junho. Mais de 1.650 pessoas foram mortas emjulho de 2007. O aumento na segurança refletiu-se também no número debaixas registrado pelos militares norte-americanos em julho,cifra essa que atingiu seu menor patamar desde o início dainvasão do Iraque liderada pelos EUA, em 2003. Seis soldados norte-americanos foram mortos em combate nomês passado, em território iraquiano, contra 66 em julho de2007, segundo o site independente www.icasualties.org, queregistra o número de mortos em tempos de guerra. O comandante das forças norte-americanas no Iraque, generalDavid Petraeus, deve apresentar a Bush, em setembro,recomendações a respeito das dimensões do contingente militardos EUA -- uma questão importante em meio à campanha para aseleições presidenciais norte-americanas de 4 de novembro. Atualmente, há 143 mil soldados norte-americanos no Iraque.Em julho, retirou-se do país a última das cinco brigadas decombate enviadas no ano passado. O envio de um contingente suplementar de militares, adecisão de líderes tribais sunitas de voltarem-se contra a AlQaeda e um cessar-fogo imposto pelo clérigo xiita Moqtadaal-Sadr (chefe da milícia Exército Mehdi) são apontados como osmotivos pelos quais se reduziu a violência no Iraque. Os dados do governo mostraram que quase 80 policiais esoldados iraquianos foram mortos em julho, ao passo que 107insurgentes foram mortos e quase outros 900, detidos no mesmoperíodo. Petraeus e outros comandantes advertiram que os avançosrealizados no Iraque são frágeis e poderiam ser anulados. E,como a confirmar isso, quatro agressores suicidas mataram cercade 60 pessoas na segunda-feira, no país. (Reportagem adicional de Aws Qusay)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.