Iraque tem 2,3 milhões de refugiados, diz Crescente Vermelho

Sem sair do país, deslocados ficam em cidades sem infra-estrutura e serviços básicos; em 2006, eles eram 500 mil

Associated Press,

05 de novembro de 2007 | 11h57

Cerca de 2,3 milhões de iraquianos - em sua maioria mulheres e crianças - deixaram suas casas, mas ainda permanecem dentro das fronteiras do país e sofrem com a falta de serviços básicos, de acordo com um relatório da entidade Crescente Vermelho iraquiano divulgado nesta segunda-feira, 5.   O número de refugiados no país cresceu 16% em setembro frente ao mês anterior, para 2,299 milhões, segundo a entidade, grupo semelhante à Cruz Vermelha que age em nações muçulmanas. Isso representa um grande aumento desde o início de 2007, quando menos de meio milhão de pessoas foram deslocadas. Mais de 83% são compostos por crianças abaixo dos 12 anos e mulheres.   Mesmo após mais de quatro anos depois da invasão dos Estados Unidos, o governo iraquiano falha em não oferecer serviços básicos - como saneamento, energia elétrica e acesso a escolas e hospitais - para os cidadãos em grande parte do país.   A maior parte do Iraque, especialmente a capital, Bagdá, está saturada pela violência e pela infra-estrutura destruída, o que impede muitos grupos humanitários de chegarem até as vítimas mais necessitadas. "Além disso, muitos sofrem com doenças, com a miséria e com a desnutrição", ressalta o relatório.   "Crianças não freqüentam escolas e são alojadas em abrigos, os quais são abandonados e não têm água e eletricidade, em mesquitas, igrejas ou deixadas com parentes", descreve o documento da entidade.   Mais de 60% dos refugiados iraquianos são de Bagdá. "A cidade tem o maior número de deslocados por causa das explosões, das operações militares e dos conflitos armados."   Para a pesquisa, o Crescente Vermelho uniu relatórios colhidos nas 18 províncias iraquianas por funcionários e voluntários. O grupo conta atualmente com 5 mil membros e 95 mil voluntários trabalhando em 365 escritórios ao redor do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueCrescente VermelhoRefugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.