Isil amplia conquistas no norte do Iraque; cristãos fogem

Combatentes dizem ter tomado 15 cidades, represa em Mossul e base militar em avanço contra região autônoma do Curdistão

O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2014 | 09h40

BAGDÁ - Militantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Isil)  ampliaram as conquistas no norte do Iraque nesta quinta-feira, 7, tomando mais cidades e fortalecendo sua posição próximo à região autônoma do Curdistão, em uma ofensiva que tem preocupado o governo de Bagdá e potências regionais.

O avanço forçou milhares de residentes da maior cidade cristã do Iraque, Qaraqosh, a fugirem, temendo estarem sujeitos às demandas dos militantes sunitas feitas em outras áreas tomadas: ir embora, converter-se ao islã ou ser executado.   O Isil, que é considerado mais extremista do que a Al Qaeda, vê a maioria xiita do Iraque, e minorias como cristãos e yazidis, como infiéis.

O grupo militante disse em comunicado em sua conta no Twitter que os combatentes haviam tomado 15 cidades, a estratégica represa Mossul no rio Tigre e uma base militar, em uma ofensiva começada no fim de semana e que se prolongaria.  Autoridades curdas disseram que suas forças ainda controlam a represa.

Yazidis. Os militantes sunitas impuseram uma humilhante derrota às forças curdas no avanço do fim de semana, levando dezenas de milhares de pessoas da antiga comunidade yazidi a fugir da cidade de Sinjar em direção à montanha próxima.

Algumas das muitas milhares de pessoas cercadas por combatentes do Estado Islâmico na montanha de Sinjar foram resgatadas nas últimas 24 horas, disse um porta-voz da agência da ONU para coordenação de assuntos humanitários, a Ocha, acrescentando que 200 mil pessoas haviam fugido dos combates.   “Essa é uma tragédia de proporções imensas, que tem impacto nas vidas de centenas de milhares de pessoas”, disse o porta-voz David Swanson por telefone.

Muitas da pessoas desabrigadas urgentemente necessitavam de água, alimento, abrigo e remédio, disse ele. Um porta-voz da agência da ONU para a defesa das crianças disse que muitas delas na montanha estavam sofrendo de desidratação e pelo menos 40 haviam morrido.

Os yazidis, vistos pelo Estado Islâmico como “adoradores do demônio”, correm o risco de serem executados pelos militantes sunitas, os quais buscam estabelecer um império islâmico e redesenhar o mapa do Oriente Médio.

O Estado Islâmico, que declarou um califado em áreas do Iraque e da Síria que controla, entrou em confronto com forças curdas na quarta-feira na cidade de Makhmur, perto de Arbil, a capital da região autônoma curda.

Testemunhas dizem que os militantes tomaram Makhmur, mas autoridades curdas disseram à mídia local que suas forças permaneceram no controle, ao passo que canais de televisão mostraram vídeos dos combatentes curdos, os chamados peshmerga, dirigindo pela cidade.

O Estado Islâmico representa a maior ameaça para a integridade do Iraque desde a queda de Saddam Hussein em 2003. Seus combatentes e aliados sunitas também controlam uma grande parte do oeste do Iraque.  / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
IsilIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.