Israel abate 4 mil aves após descoberta de vírus da gripe aviária

Ministério da Agricultura israelense adverte que a medida tem caráter preventivo

Efe,

04 de janeiro de 2008 | 11h56

Inspetores do Serviço Veterinário do Ministério da Agricultura de Israel começaram nesta sexta-feira, 4, o sacrifício de 4 mil frangos e perus no norte do país, a fim de conter a expansão da gripe aviária, após ser detectada uma variante da doença.   O Ministério da Agricultura israelense adverte que a medida tem caráter preventivo, depois da detecção nesta quinta-feira, 3, de sinais preliminares da gripe aviária em frangos mortos em um zoológico na localidade de Binyamina, no norte de Israel.   Um veterinário do ministério disse à rádio pública israelense que um dos frangos continha a cepa H5 do vírus da gripe aviária.   Uma menina de quatro anos visitou o zoológico infantil em Binyamina - onde ontem foram sacrificados 200 frangos - e foi internada com sintomas parecidos aos da gripe aviária.   Exames posteriores indicaram que a menor não tinha contraído o vírus da doença, mas outro que afeta o sistema respiratório e é a causa mais comum de infecção nos brônquios e pneumonia entre as crianças.   Gripe Aviária   Embora pesquisas apontem que a gripe do frango tenha sido identificada pela primeira vez no final do século XIX, foi somente no ano de 1955 que ela foi descrita como uma doença provocada pelo vírus da família Influenza.   A doença tem mais incidência no continente asiático, mas o vírus se espalha com grande rapidez.   O surto de 2005 de gripe aviária infectou pessoas no Vietnã, Tailândia, Indonésia e Camboja; e infectou aves em Laos, China, Turquia, Inglaterra, Alemanha, Grécia e, mais recentemente, identificada em aves migratórias do Canadá. Até 10 de Outubro ocorreram 117 casos com 60 óbitos, numa letalidade de 51,28%.   Os sintomas da gripe aviária em seres humanos são: febre alta, dores musculares, ressecamento da garganta e dificuldades e problemas respiratórios.

Tudo o que sabemos sobre:
Gripe AviáriaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.