Israel alivia embargo a Gaza e permite entrada de alimentos

Israel aliviará seu embargo a Gaza para permitir a entrada de alguns alimentos e bebidas ao território, disseram autoridades palestinas nesta quarta-feira, após pressão internacional causada pelo ataque israelense a um comboio com ajuda humanitária.

NIDAL AL-MUGHRABI, REUTERS

09 de junho de 2010 | 16h18

O grupo militante islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, disse que há demanda por cimento, banido por Israel e essencial para a reconstrução do território após a guerra de janeiro de 2009, e não por refrigerantes.

Uma autoridade israelense disse que a nova lista de produtos não está relacionada à operação israelense de 31 de maio contra um comboio com ajuda que tentou furar o bloqueio de Israel a Gaza. O anúncio foi feito horas antes do encontro entre os presidentes norte-americano, Barack Obama, e palestino, Mahmoud Abbas, em Washington.

Havia expectativa de que as conversas entre Obama e Abbas focassem em maneiras de aliviar o embargo, alvo de condenação internacional desde o ataque por comandos israelenses a uma frota de navios, que matou nove ativistas pró-palestinos.

Obama disse que a situação em Gaza é insustentável e Abbas repetiu seu pedido pelo fim do bloqueio.

Obama afirmou que os Estados Unidos doarão 400 milhões de dólares em nova ajuda para os palestinos.

Autoridades palestinas na Cisjordânia disseram que, a partir da próxima semana, Israel irá permitir a entrada em Gaza de alguns alimentos, refrigerantes e sucos.

Israel diz que seu bloqueio a Gaza é necessário para impedir o fornecimento de armas ao Hamas.

A Organização das Nações Unidas diz que o embargo israelense criou uma crise humanitária em Gaza, uma alegação negada por Israel.

(Reportagem adicional de Mohammed Assadi, em Ramallah, e Allyn Fisher-Ilan, em Jerusalém)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDGAZAEMBARG*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.